Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

while

05.04.21

inacessível corpo em outro corpo vivo 

As pernas são o grito

no rosto  no vento  A língua 

contra a língua

ou antes as duas línguas que a destroem 

 

Vertigem dos limites 

contra a vertigem 

[...]

Ancas intermináveis  Flancos 

que trucidam quando oscilam 

 

António Ramos Rosa in  FRAGMENTOS: FIGURA - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

condição

24.10.17

Mas dormia apoquentado com a solidão e o crescente tamanho do amor. O amor, na perda, era tentacular. Uma criatura a expandir, gorda, gorda, gorda. Até tudo em volta ser esse amor sem mais correspondência, sem companhia, sem cura. Que humilhante a solidão do amante. O oleiro disse assim: que humilhante o coração que sobra. O amor deixado sozinho é uma condição doente.

 

 

Valter Hugo Mãe – Homens imprudentemente poéticos

Porto Editora (2016)