Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

31 Mai, 2019

F-GZCP

Ensinar, mas fazer; crer, mas estudar; aconselhar, mas exemplificar. Chico Xavier   voo da noite de 31 de maio para 1 de junho de 2009    
06 Mai, 2019

LZ 129 Hindenburg

Em 6 de maio de 1937 ocorreu a explosão do Hindenburg, em Lakehurst, perto de Nova York. O incêndio do maior zepelim do mundo causou a morte de 35 pessoas (...) O acidente aconteceu no final de uma tarde chuvosa, 77 horas depois da decolagem em Frankfurt. A bordo estavam 61 tripulantes, 36 passageiros, dois cachorros, além de bagagem, cargas e correspondências. O forte vento em Lakehurst havia obrigado o capitão Max Pruss a sobrevoar o atracador por duas vezes. Ao mesmo tempo, ordenou (...)
24 Jul, 2018

Amelia Earhart

  Courage is the price that Life exacts for granting peace. The soul that knows it not Knows no release from little things: Knows not the livid loneliness of fear, Nor mountain heights where bitter joy can hear The sound of wings. How can life grant us boon of living, compensate For dull gray ugliness and pregnant hate Unless we dare The soul's dominion? Each time we make a choice, we pay With courage to behold the resistless day, And count it fair.     Courage -  Poem by Amelia Earhart   (...)
03 Jul, 2018

MAY(be another)DAY

Voo Iran Air 655 Acidente aéreo Data: 3 de julho de 1988  Causa: Derrubado por foguete militar Local: Golfo Pérsico Coordenadas 26° 40′ N 56° 2′ E Passageiros: 274 Tripulantes: 16 Mortos: 290 Feridos: 0 Sobreviventes: 0 Aeronave Modelo Airbus A300B2-203 Prefixo EP-IBU O voo 655 da Iran Air (IR655) era uma rota comercial entre Teerã e Dubai, com escala em Bandar Abbas. Em 3 de julho de 1988, a aeronave que fazia o percurso, no trecho entre Bandar Abbas e Dubai, foi (...)
29 Mar, 2017

voar

Voar é o contrário de viajar: atravessas uma descontinuidade do espaço, desapareces no vácuo, aceitas não estar em parte nenhuma durante uns momentos que são também uma espécie de vácuo no tempo; depois reapareces, num lugar e num instante sem relação com o onde e com o quando em que tinhas desaparecido.      Italo Calvino – Se Numa Noite de Inverno Um Viajante (1979) Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)