Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

02 Out, 2019

mucho mistrust

(...) quando a atracção natural reunisse os corpos apesar da dúvida. Lembrar-te-ás da força dos dias de cegueira dias de puro instinto, tudo  o mais esquecerás. O vento contra. O aparente cansaço que nos atira um ao encontro do outro.  (...)   Paulo da Costa Domingos in CAMPO DE TÍLIAS     Paulo da Costa Domingos – Carmina (1971-1994) Antígona (1995)      
Eu perdi a vez de ser simples,  perdi a vez feliz de ignorar, perdi a sábia ignorância, perdi a graça de não saber. Deixei passar a vez de ir na corrente  e de ser como toda a gente  às carambolas da sorte.    Eu perdi a vez de ser analfabeto, esse segredo para não ser doutor  e para não saber também o que as letras sabem  do mundo e de mim.    (...) ser ignorante não dói  não dói tanto como não ignorar!   Eu deixei passar a vez de ir na onda  e (...)
17 Mai, 2017

marear

Resta-nos ser mareantes e marear (...) Em «nós»   Maria Gabriela Llansol - O Começo de Um Livro É Precioso Assírio & Alvim (outubro 2003)       Somos a fachada de uma coisa morta E a vida como que a bater à nossa porta Quando formos velhos Se um dia formos velhos Quem irá querer saber quem tinha razão De olhos na falésia Espera pelo vento Ele dá-te a direcção Ninguém é quem queria ser Eu queria ser ninguém A idade é oca e não pode ser motivo Estás a (...)
06 Dez, 2016

às vezes

Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido. Fernando Pessoa