Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

a proteção de quem manda


Cecília

16
Mai19

«Meu amo manda-me para vos proteger. Eu vos protegerei», lê dom António essa primeira declaração solene do general Junot. Sorri, irónico, pensando que a protecção de quem manda conta sempre mais com a acomodação dos protegidos que com a certeza de poder protegê-los. 

 

Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

 

esquece-te, sésamo


Cecília

24
Jul18

 Pedro Manuel Mamede Passos Coelho

(Coimbra, 24 de julho de 1964)

 

 

No inicio de 2015, torna-se do conhecimento público que, tal como 107 mil outros Portugueses, não pagou à Segurança Social a sua contribuição enquanto trabalhador independente, antes de ser nomeado primeiro-ministro, situação que aconteceu durante a Governação do Partido Socialista. À data, a dívida encontrava-se prescrita, mas optou por ainda assim pagar o valor em dívida. 

As suas primeiras declarações foram no sentido de que não pagou a dívida por desconhecimento de que o deveria fazer, uma vez que nunca havia sido informado para o fazer. Posteriormente, surgem indicativos que este pediu esclarecimentos sobre a sua situação fiscal, já quando ocupava o cargo de primeiro-ministro, tendo então intenção de pagar a dívida, já prescrita, quando o seu mandato terminasse. A polémica gerada em torno do caso foi categorizada pelo então Presidente da República, Cavaco Silva, como campanha eleitoral. A Autoridade Tributária e Aduaneira instaurou processos disciplinares aos funcionários que consultaram os dados fiscais de Passos Coelho, e de outros contribuintes, por alegada quebra de sigilo fiscal. 

Em novembro de 2017, a empresa Tecnoforma, da qual foi consultor e administrador, foi investigada pelo gabinete Anti-Fraude da União Europeia. No entender deste gabinete, há cerca de 7 milhões de euros que devem ser restituídos à UE. 

 

in https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_Passos_Coelho

 

 

 

 

a pedra lascada


Cecília

28
Mai18

Neste período, como parece depreender-se do próprio nome, as desinteligências eram resolvidas à pedrada, poupando-se discussões inúteis, propaganda eleitoral e outros vícios da civilização. 

Os homens que habitavam a terra nestes tempos remotos não se chamavam Marcelo ou Teotónio. Davam urros, gesticulavam, faziam carantonhas e soltavam gritos gruturais, conseguindo, à custa de processos tão económicos fazer-se entender melhor do que muitos contemporâneos nossos doutorados pelas Universidades. 

Comiam tudo o que encontravam (o que os distingue de nós é que iam encontrando alguma coisa) [...] embora evitassem comer-se uns aos outros, contrariamente ao que acontece hoje por toda a parte.

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

entrumpados? hilariante!


Cecília

09
Nov16

a) o mundo não acaba lapidado pelas pedradas atiradas contra o politicamente correto, bem pelo contrário - há mais vida e autenticidade no improviso. se calhar, é preciso muito mais disto: broncos que mostram o que querem e ao que vêm, em vez de lobos disfarçados de cordeiros  ( preocupados com os mexicanos que poderão ser expulsos ou que nem poderão entrar porque um muro se levantará? então e os refugiados não acolhidos por uma europa inteira? o trabalho sujo encomendado à Turquia e pago com o dinheiro do bom europeu? a europa afunda-se na sua própria hipocrisia e melindra-se tanto com o que se passa do outro lado do atlântico! mas não nos esqueçamos que os pais fundadores fugiram da porcaria que por cá se fazia - por muito mau que se queira pintar o tio Sam, o irmão europeu é sempre trinta vezes mais carafunchoso e manhoso).

 

 

b) se há coisa que o voto faz é mostrar como as coisas estão e o estado a que se deixaram chegar. 

 

c) como portuguesa e europeia incomoda-me mais o presidente Juncker.

 

 

 

Muda-se de moleiro, não se muda de ladrão.

 

Provérbio Português