Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Laroyê Exu, Exu mojubá

13.06.21

exu.jpg

 

[...] olhando com mais cuidado o que muitos já publicaram, chegamos a algumas conclusões que dividimos aqui com todos.
***

Santo Antonio é um dos santos mais populares da Igreja Católica.
Igualmente, Exu talvez seja a figura (Orixá, Guia) mais popular das religiões afro-brasileiras.

Também chamado de Santo Antonio de Pemba, de Lisboa, de Ouro fino e de Pádua, teve em sua bravura, quando encarnado, uma de suas maiores características.
De maneira idêntica, Exu é guardião, é da Esquerda, bravura comprovada!

Santo Antonio enfrentava os ricos e poderosos para favorecer os pobres.
Da mesma forma, Exu atua sob a Lei Maior, orientando a todos para o crescimento e prosperidade, quando solicitado.

Santo Antonio abandonou as coisas materiais para dedicar-se ao bem estar do próximo.
Em vida, foi homem de grande cultura, professor de Universidade, e conhecia inclusive assuntos tidos como profanos.
Portanto, era muito próximo, acessível a todos.

Exu fala fácil a todos.
Com efeito, é compreensível, direto, sem rodeios. Não sonega assuntos.

Santo Antonio acreditava que o mundo espiritual deveria ser mais próximo do mundo material.
Com isso, trabalhava para que as relações humanas fossem mais valorizadas, sempre com ênfase no amor.

Por outro lado, Exu é sempre procurado para questões bem terrenas como o amor, os relacionamentos e os negócios.

Santo Antonio também tinha grande dom para oratória.
Assim, falava com simplicidade e clareza, outra característica de Exu na Umbanda.

Santo Antônio é o santo casamenteiro.
Entende muito bem os problemas sentimentais e materiais dos seres humanos (assim como Exu).

Por fim, não acreditamos que haja um sincretismo entre eles.

Na verdade, Santo Antonio e Exu podem ser aproximados.

Assim, o matrimônio é uma ligação amorosa, familiar. É um compromisso, um momento de mudança na vida de um casal.
Com toda certeza, Exu está nos momentos de virada, nas encruzilhadas da vida.
Escolher o melhor caminho, o melhor parceiro ou parceira para vida é um desejo da maioria.

É um compromisso consigo mesmo e com outro.

É relacionar-se, aproximar-se de alguém ‘para todo o sempre’.

É ligar-se emocionalmente, fisicamente, pelo espírito e pela carne.

E é este um terreno fértil para Santo Antonio e Exu.

 

in https://umbandaeucurto.com/santo-antonio/

 

 

adorei as almas!

13.05.21

 

O último símbolo que quero destacar é o rosário ou as contas. [...] O rosário cristão se confunde com as contas do “Òpelè-Ifá” ou “Rosário de Ifá”, que é um instrumento divinatório dos tradicionais sacerdotes de Ifá (Ifá é o porta-voz de Orumilá e de outros Orixás). Vale lembrar que o culto dos negros a Nossa Senhora do Rosário, se deve também ao paralelismo estabelecido entre o rosário desta Nossa Senhora e o Rosário de Ifá, obviamente já conhecido por muitos negros. Por isso, sempre insisto que o culto dos negros a
Nossa Senhora do Rosário é ao mesmo tempo adaptação e resistência [...]

E termino com a saudação aos pretos velhos proferida na maioria dos terreiros de
Umbanda [...] e que demostra a multiplicidade do culto e suas referências: “Salve Jesus
Cristo e Nossa Senhora... Salve os Orixás... Saravá o Preto Velho... Adorei as almas”.

 

in http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364730161_ARQUIVO_Adoreiasalmas-XXVIISNH-textocompleto.pdf

 

 

dar valor

15.03.21

O que resta       recomeçar

com uma pedra 

 

O que eu movo 

 

      até

 

   onde não sei 

 

suspendo

e algo avança

                                         à minha frente 

 

 

A mão baixa 

 

                                       aranha de ar 

 

rápida   intranquila 

 

as armas que respiram 

 

o desejo      e a surpresa 

 

[...]

 

O brilho da palavra    igual ao brilho do silêncio 

 

[...]

 

 

O sol sobre os teus braços 

 

 

António Ramos Rosa in  DECLIVES  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)