Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

momentos de lucidez

Nos momentos de lucidez, devemos habituar-nos a prever as regressões, para que mesmo no delírio possamos conservar a consciência da tranquilidade que nao tardará. 

Ter por hábito não nos deixarmos ludibriar pelo nosso próprio mal. 

 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

 

asfixia devagar

TUDO O QUE NÃO É LITERATURA ABORRECE-ME - 

quixava-se um checo muito conhecido. 

As nossas vidas, aliás, deviam acontecer sempre no futuro,

onde, no fundo, sucedem todos os romances.

O nosso estilo teria a nitidez dos tratados científicos

e a força da descrição de uma batalha -

embora os críticos tentassem

transformar tudo isto num relatório criminal

ou no argumento para um filme de Domingo à tarde.

O Eduardo Prado Coelho era capaz de fazer isso. 

 

Mas é preciso fugir ao máximo dos museus de cera, 

perseguir os funcionários públicos do senso comum,

evitar que as mulheres feias tenham filhos. 

Aliás, é urgente matar toda a gente que tem fome.

Por isso, não me venhas com xaropes e bancos alimentares.

Não me trates as doenças.

Não levantes a mão.

Vem, vem apenas,

como as you are

- embora seja tarde. 

 

Vem para esta sala de baile com portas cheias de musgo

e vozes molhadas em tabaco.

Vem passar uma noite nos seus cantos húmidos

onde coronéis e generais

levantavam as saias à história.

 

Já tirámos os cavalos,

já limpámos as trincheiras. 

 

Vem ralar na minha pele arrepiada

a cor pálida da lua

como se fosse a casca de um limão. 

 

Vem sem falta - 

o palco está vazio,

a sala cheia. 

Com o passo lento das derrotas,

um macaco vestido de Shakespeare

conduzir-te-á até ao último acto. 

 

Golgona Anghel 

 

 

Golgona Anghel in Como Uma Flor de Plástico Na Montra De Um Talho (2013)

Assírio & Alvim (2017)

 

 

 

arcas e caixas

Como os homens se mostrassem cada vez mais sórdidos, as mulheres mais desavergonhadas, e como aparecessem os primeiros sintomas de deliquência juvenil (É bem conhecido o caso de David, jovem «teddy-boy» que matou à fisga um venerável ancião chamado Golias) pensou-se, com exagerado optimismo, que a solução estava numa grande barrela.

Num longínquo dia de Outubro, à hora do almoço, (havendo o Serviço Meteorológico Nacional previsto tempo seco) abriram-se as celestes comportas e a água veio em tal abundância que os bombeiros registaram o maior número de chamadas de toda a sua história. Esta lavagem à escala universal destinava-se (como os leitores versados em textos sacros já perceberam) a fazer desaparecer da face da Terra a pouca vergonha, a podridão, os vícios e o genococos que então proliferavam à rédea solta. (Esquecia-se que, para lavar tais e tantas poucas vergonhas, a água, (mesmo com Tide) era insuficiente e o problema só podia ser resolvido a Napalm) [...] Só à custa da requintada imaginação dos redactores do Velho Testamento, foi possível conservar a seco, dentro de uma arca, um grande número de pessoas e animais própriamente ditos. Embora certos parágrafos bíblicos nos informem que eles foram escolhidos de entre o melhor comportados da Criação, estamos convencidos de que se tratava, sim, de indivíduos com muitas cunhas pois o ingresso na barcaça salvadora era pelo menos tão difícil como um lugar na Sacor ou na Fundação Gulbenkian. (Muitos leitores irão admirar-se como foi possível caber tanta espécie de animal dentro de uma arca. Lembrem-se, todavia, quantos hoje cabem numa caixa ainda mais pequena - de TV (...) Além disso nessa época o número de bestas era muito menos do que hoje em dia pois ainda não existia a publicidade comercial esse eficaz meio de animalização em massa). 

 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

comprar-se / vender-se

OLHE, PRECISO DE DINHEIRO

Preciso de muito dinheiro. Quero abrir um negócio.

Algo meu, sabe como é. Estou farto de patrões.

Não posso passar a minha vida atrás de um balcão.

A levar todas as noites com a baba dos perdidos nas trombas. 

Já não tenho paciência.

Com esta idade, já viu o que é.

Sujeitar-se a todos os labregos.

Já tentei noutros bancos, sim.

Pedi também aos meus pais, é verdade;

disse-lhes que era para me casar.

Não, não tenho casa, nem automóvel. 

Mas, olhe, posso garantir com o meu corpo. 

O meu fígado, senhor, tem que ver o meu fígado. 

É fígado de motard. Isto parece encolhido e tal,

mas anda a mil.

E adiantado, não pode pagar nada como entrada? 

Entrada, não sei. 

Só se for o coração. 

 

 

Golgona Anghel 

 

 

Golgona Anghel in Como Uma Flor de Plástico Na Montra De Um Talho (2013)

Assírio & Alvim (2017)

 

 

instantes

A Nicole le dio un ataque de risa y subió de nuevo al comedor. Fue una reacción más bien cariñosa, pero Gérard se sintió como si lo hubieran humillado. Su mujer no lo consideraba capaz de escribir, ni siquiera de quedarse pensando un rato. No volvieron a hablar de ese instante, pero iba a ser el inicio de una fisura en su matrimonio. En ocasiones tenemos que actuar de forma sorprendente, derrapar y salirnos de lo cotidiano en cierto modo, para saber lo que el otro piensa realmente de nosotros. 

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

para te ver e para não chorar

 

 a tua ausência é, em cada momento, a tua ausência.

não esqueço que os teus lábios existem longe de mim.

aqui há casas vazias. há cidades desertas. há lugares.

 

mas eu lembro que o tempo é outra coisa, e tenho

tanta pena de perder um instante dos teus cabelos.

 

aqui não há palavras. há a tua ausência. há o medo sem os

teus lábios, sem os teus cabelos. fecho os olhos para te ver

e para não chorar

 

 

José Luís Peixoto  - A Casa, a Escuridão (2002)

Quetzal Editores (2014)

 

dores e confusões

A par da angústia afectiva, existe uma angústia intelectiva,

Embora de sabor absolutamente desigual (...)

Com os dedos gelados, pego no giz.

Nesse gesto, começo a sair da confusão que não consola. 

 

 

Maria Gabriela Llansol - O Começo de Um Livro É Precioso
Assírio & Alvim (outubro 2003)

 

 

 

 

portugal fica para depois e os portugueses também

 

Foste de verdade, não de feito, a voz de Portugal. 

(...)

A Portugal, a voz vem-lhe sempre depois da idade 

e tu quiseste acertar-lhe a voz com a idade

e aqui erraste tu,

não a tua voz de Portugal

não a idade que já era hoje. 

(...)

Tu levaste empunhada no teu sonho a bandeira de Portugal

vertical

sem pender pra nenhum lado 

o que não é dado pra portugueses.

Ninguém viu em ti, Fernando,

senão a pessoa que leva uma bandeira

e sem a justificação de ter havido festa. 

Nesta nossa querida terra onde ninguém a ninguém admira

e todos a determinados idolatram.

Foi substituído Portugal pelo nacionalismo 

que é maneira de acabar com partidos 

e de ficar talvez o partido de Portugal

mas não ainda apenas Portugal!

Portugal fica para depois

e os portugueses também 

como tu. 

 

José de Almada Negreiros, ODE A FERNANDO PESSOA
Poemas Escolhidos José de Almada Negreiros - Assírio & Alvim | Porto Editora 2016

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D