Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

pobreza panfleto

O Mulloch adorava os marginais, e acho que até adorava a pobreza. A partir das suas cartas, tinha ficado com a ideia de que o H.R. acreditava que a pobreza gerava pureza. Claro que isso é algo em que os ricos sempre quiseram que acreditássemos, mas isso é outra história. 

 

Charles Bukowski in Como Ser Publicado - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

 

 Asamblea de la Hipocresía

Michael Cheval

 

 

cumes intelectuais

Eu não sabia que o génio, preso numa cela ou livre no exterior, caminha sempre sozinho, oprimido, sofredor, ignorado. Eu não sabia que nada de belo ou nobre se junta em torno dos cumes intelectuais e que não existe uma hierarquia moral aceite pelos homens de talento. 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

pessoas em trâns(e)ito

 Depois, quando estava prestes a enfiar-se à frente do velho sedan, o puto que ia ao volante acelerou, aproximou-se, cortou-lhe a passagem e voltou a pôr-se ao lado do outro carro.

Frank voltou a enfiar-se atrás do carro dos putos. Continuavam a conversar e a rir. Viu o autocolante do pára-choques. JESUS AMA-TE. 

Depois reparou num decalque no vidro traseiro. THE WHO.

Bem, tinham Jesus e tinham os The Who. Por que raio é que não o deixavam passar? 

 

 

Charles Bukowski in Mercadoria Danificada - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

 

simpatia

Era Francine. Francine gostava de o impressionar. Francine gostava de pensar que o impressionava. Mas ela era um horror de tédio. Leslie pensava muitas vezes que era simpático da sua parte deixá-la aborrecê-lo como ela o aborrecia. Um tipo normal desligar-lhe-ia o telefone na cara como se fosse uma guilhotina. 

 

 

Charles Bukowski in Noite Fria - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

pessoas aborrecidas

só as pessoas aborrecidas é que se aborrecem. Têm de se estimular continuamente para se sentirem vivas. 

 

Charles Bukowski in A Dança Do Cão Branco - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

mensagens-de-aborrecimento-3.jpg

 

 

 

 

 

zapata

Quiero morir siendo esclavo de los principios, no de los hombres.

 

Emiliano Zapata Salazar

(San Miguel Anenecuilco, 8 de agosto, 1879 — Chinameca, 10 de abril, 1919)

 

 

 

Welcome to Tijuana
Tekila, sexo y marihuana
Welcome to Tijuana
Con el coyote no hay aduana

 

 

 

a hipótese

O meu meio de transporte era um Comet de 62. A jovem da casa em frente sentia-se muitíssimo ofendida com o meu carro velho. Tinha de estacionar em frente à casa dela porque era uma das poucas zonas planas do bairro e o meu carro não arrancava em subidas. Mal pegava em terreno plano, pelo que eu ficava ali sentado, a bombar o acelerador e a carregar na ignição, e o som era nojento e contínuo. A mulher começava a gritar como se estivesse a enlouquecer. Era uma das poucas vezes em que eu sentia vergonha de ser pobre. Ficava ali sentado, a dar gasadas e a rezar para que o Comet de 62 arrancasse, ao mesmo tempo que tentava ignorar os gritos de raiva que saíam da casa dispendiosa. Bombava e bombava, o carro arrancava, andava alguns metros, e ia-se abaixo outra vez. 

« Tira esse chaço da frente da minha casa ou eu chamo a polícia!» Depois os longos gritos loucos. Por fim, ela saía, de quimono, uma jovem loura, linda, mas ao que parece, completamente louca. Corria até à porta do carro a gritar e um dos seios saltava para fora. Guardava-o e o outro seio saltava para fora. E depois uma perna espreitava pela racha do quimono. «Minha senhora, por favor», dizia-lhe eu, «estou a tentar».

Finalmente, conseguia pôr o carro a andar e ela ficava no meio da rua, com os dois seios de fora, a gritar: «Não voltes a estacionar aqui o carro, nunca mais, nunca mais, nunca mais!» Era em alturas como aquela que eu considerava a hipótese de procurar emprego. 

 

 

Charles Bukowski in Um Par de Gigolôs - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

mar07021.JPG

 fonte imagem: http://www.roadhouserestorables.com/gpage36.html

 

 

todos querem ser chefes

Todos querem ser chefes. Porque aqueles que se fazem escravos são cretinos e pedintes cujos patrões, quando se encontram frente a frente, se cumprimentam e se observam e se odeiam mutuamente. 

 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D