Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

capas

12.08.21

Então o rei esqueceu a zanga e lembrou-se do velho provérbio: Sob um manto de burel esconde-se por vezes um coração régio.

 

Francisco Vaz da Silva – Gata Borralheira e Contos Similares (2011)
Círculo de Leitores e Temas e Debates (2011)

 

 

levantamento de complicações

28.07.21

Terá sido ainda em 1945 ou 1946, antes deste episódio, que o meu pai, inconformado com a decisão de Salazar e à procura de apoios, tomou a decisão de escrever a um dos barões Rothschild, Maurice, se não me engano, explicando-lhe que o «homem que o tinha ajudado a escapar aos nazis, a ele e aos seus familiares, em 1940 [o cônsul Aristides de Sousa Mendes], por ter agido contra as ordens do seu governo [de Salazar], se encontrava numa grave situação financeira, devido a um castigo disciplinar ilegal e necessitando de ajuda urgente». Reconhecido, o barão de Rothschild enviou rapidamente um cheque de trinta mil escudos em nome de Aristides de Sousa Mendes. Uma soma bem simpática, que foi muito bem acolhida. Mas os bancos portugueses levantaram tantas complicações que o dinheiro do cheque só chegou às mãos de Aristides em 1948 ou 1949 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

 

 

ciclos

10.12.20

...Voz do Operário onde, estudando à noite, parece que acabou por conseguir o seu diploma de Curso Comercial - cinco anos, fora os dois que lhe faltavam do ciclo preparatório. Curso exigente, cheio de disciplinas difíceis, cálculo comercial, contabilidade, economia política, técnica de vendas, geografia geral, história, datilografia, estenografia, português, francês, inglês. 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)
Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

 

sociedade penico

27.11.20

- Nunca compreenderei como uma sociedade fundada principalmente por devedores, criminosos e párias, pessoas que conhecem bem as dores da opressão - disse Colin - , adotou tão entusiasticamente uma instituição que oprime aqueles que não fizeram qualquer mal [...]

Em Londres, passo as noites com homens que se sentam num mesmo lugar e não se mexem durante horas a menos que tenham de ir urinar, e mesmo assim é possível que não vão mais longe do que até junto do penico que se encontra ao canto da sala para se aliviarem; e posso acrescentar que apontam mal porque é hilariante.

«Troçam uns dos outros como garotos de escola - continuou -, mas consideram-se inteligentes, importunam as criadas das tabernas e acham-se arrojados, enquanto soldados que deram um membro ou um olho pela segurança do reino andam imundos pelas ruas, a pedir esmola. 

 

Grace Burrowes – Coração Ardente (2017)

Quinta Essência (2019)

 

 

cadáveres há muitos

24.11.20

Em França, a editora Gallimard publica, em 2015, o romance Le Consul, escrito por um romancista de origem argelina, Salim Bachi, que faz uma análise muito fina da psicologia de Aristides. Salim Bachi, laureado com o prémio Goncourt - primeiro romance, cita São Francisco de Assis, antes do primeiro capítulo: «O homem obediente é como um cadáver que se deixa colocar, sem protestar, onde os outros quiserem.» 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

 

corpo(s)

22.09.20

O corpo humano não é uma coisa ou uma substância dada, mas uma criação contínua... O corpo humano é um sistema energético num estado de perpétua destruição de si... 

Norman O. Brown, Love's Body 

 

From this the poem springs: that we live in a place

That is not our own and, much more, not ourselves. 

Wallace Stevens 

 

 

António Ramos Rosa  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

 

tanto como antes

21.05.20

Certo dia perguntei ao senhor Xavier porque lhe chamou Piccolo e ele respondeu que gostava muito do Pinóquio, «Piccolo como tu», e eu fiquei a perceber tanto como antes. 

 

Afonso Reis Cabral – Pão de Açúcar
Publicações Dom Quixote (2018)

 

 

a morte de alguém

23.01.20

Uma das histórias envolvia a duquesa de Vauquelin. Certa noite perdera bastante dinheiro a jogar às cartas. Com o rosto afogueado, passara a mão pela testa e, ao fazê-lo, deslocara uma sobrancelha artificial feita de pelo de rato. Sem que desse por isso, a sobrancelha começara a deslizar-lhe para a cara, sobre a maquilhagem branca do rosto. 

- O que nos rimos - contou Sua Graça. - Incluindo a duquesa até a filha lhe explicar o sucedido. Não voltou a ser vista em público desde então. 

Achei que era aquilo que acabava por ser a morte de alguém: tagarelice descuidada e uma estupidez que corrói a alma. 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

 

 

serenidade de quadro

14.01.20

A expressão de Queenie parecia serena, mas era a serenidade dos santos nos quadros, e não era de fiar. 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

603fa82ad75cd4a9f4803e7068d371f3.gif