Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

swirling

03.05.21

Não busques não esperes 

[...]

Diz de novo a fascinante simplicidade 

 

António Ramos Rosa in ONDE OS DEUSES SE ENCONTRAM - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

Automat (1927)

Edward Hopper

 

imperatriz mim

30.04.21

 

No centro do tempo não há tempo

[...]

Sou uma linguagem límpida com o vento 

[...]

Como me perdi quem sou as interrogações cessaram

[...]

Tudo se desenrola na lúcida amplitude tranquila 

 

António Ramos Rosa in  NO CENTRO DO MUNDO - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

(recuperando)

02.03.21

um punho de fogo e um verdadeiro sorriso de aurora 

[...]

É toda mar e vento e praia com um adejar de gaivotas nos cabelos.

[...]

o seu adeus uma ondulada mão desfazendo-se entre mar e céu. 

 

António Ramos Rosa in  MUSAS  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

perceber um boi

12.05.20

Em geral, os bois na corte por baixo do meu quarto faziam-me muita companhia. Era um mugido longo e sincero, profundo (...) O mugido franco e despretensioso desses animais contrastava com a voz do avô, que passava os dias no quarto a falar sozinho. Quem parecia que falava eram os bois, tal a serenidade com que mastigavam a palha e assistiam a este espectáculo. 

 

Hugo Mezena – Gente Séria (2017)

Planeta Manuscrito (2018)

 

unnamed.jpg

Paturages

Julien Dupré

 

serenidade de quadro

14.01.20

A expressão de Queenie parecia serena, mas era a serenidade dos santos nos quadros, e não era de fiar. 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

603fa82ad75cd4a9f4803e7068d371f3.gif