Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

like a woman, like a little girl


Cecília

05
Jun19

Mariana vai suportando cólicas no estômago, presume que por causa do nervoso, da ansiedade, zangada consigo mesma por ter cedido àquelas crendices que insultam a ciência e exploram as superstições dos néscios. Por que viera, então? Pelas mesmas razões que ali levam os outros, pelo desespero. A irritação que sente é por causa de ter esperança e de não a ter, de não ser capaz de manter a linha da razão, de vir à bruxa depois de se rojar aos pés da Virgem na igreja do Convento, de crer em tudo e em nada, segundo os dias e as horas da sua aflição. 

 

 

Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

She makes love just like a woman, yes, she does
And she aches just like a woman
But she breaks just like a little girl.

 

«Just Like a Woman»
Bob Dylan

 

até que


Cecília

15
Mar19

... até que um dia 

já não terá sentido o amanhã.

 

 

Primo Levi – Se Isto É Um Homem (1947)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

 

duas classes de homens


Cecília

14
Mar19

Queríamos levar o leitor a considerar como o Lager foi também, e em notável medida, uma gigantesca experiência biológica e social.

Fechem-se entre arames farpados milhares de indivíduos diferentes em idade, condição, origem, língua, cultura e hábitos, e obriguem-se, nesse lugar, a um regime de vida constante, controlável, idêntico para todos e abaixo de todas as necessidades; é quanto de mais rigoroso um experimentador poderia instituir para estabelecer o que é essencial e o que é adquirido no comportamento do animal-homem perante a luta pela vida.

Não acreditamos na dedução mais fácil e óbvia: que o homem é fundamentalmente brutal, egoísta e estulto na sua maneira de actuar, quando todas as superstruturas civis lhe são tiradas, e que o Häftling seria, portanto, o homem sem inibições. Julgamos, pelo contrário, que, em relação a isso, nada mais se pode concluir, a não ser que, diante das carências e do mal-estar físicos obsessivos, muitos hábitos e muitos instintos sociais ficam completamente silenciados.

Parece-nos, no entanto, digno de atenção este facto: verifica-se que existem entre os homens duas classes particularmente bem distintas: os que se salvam e os que sucumbem. Outros pares de contrários (os bons e os maus, os sensatos e os insensatos, os cobardes e os corajosos, os desgraçados e os afortunados) são muito menos nítidos, parecem menos congénitos, e sobretudo admitem graduações intermédias mais numerosas e complexas. 

 

 

Primo Levi – Se Isto É Um Homem (1947)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

 

 

Maysa


Cecília

22
Jan19

Eu só digo o que penso; só faço o que gosto e aquilo que creio. E se alguém não quiser entender e falar, pois que fale. Eu não vou me importar com a maldade de quem nada sabe.

 

Maysa

(6 de junho, 1936 — 22 de janeiro, 1977)

 

 

 

 

 

literatura jornalística


Cecília

17
Jul18

Nada escapava à sua actividade escrevinhadora. Mas o certo é que tamanha quantidade de escrita não continha muitas ideias nem muita verdade: os textos egípcios eram, enfim, como a literatura dos nossos jornais. 

 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

#principiovasoscomunicantes


Cecília

23
Jan18

Foi, realmente, em contacto com senhores da maior respeitabilidade (daqueles que vêm no jornal sem precisar de bater na mulher ou roubar uma gabardina), que Branca de Neve apurou os reflexos e fez a sua performance técnica. 

Embora política, religiosa e socialmente eles professassem opiniões idênticas e inapelavelmente conservadoras, divergiam de maneira profunda, quando, na intimidade do apartamento lilás, davam largas aos seus recônditos anseios. Com efeito, se, quanto ao direito de propriedade privada, fé em Deus, confiança nos chefes e bordoada em grevistas, eram de uma unanimidade total, cada um deles fazia de Branca de Neve um uso muito pessoal, quando dela se ocupava para descansar de uma vida inteiramente sacrificada ao bem da sociedade e da grei. 

Então, no elegante apartamento onde ela encontrara o conforto que fora obrigada a procurar longe da casa paterna, davam livre curso à imaginação, deixando correr, infatigavel e indisciplinada, a fantasia. Vinham ali à superfície os mais íntimos desejos; por vezes recalcadas tendências e inconfessadas aberrações (...) Branca de Neve tinha para com essas inclinações dos seus protectores, para com essas pequenas loucuras que os traziam tão felizes, uma paciência toda evangélica. Calculando que da sua hábil colaboração, dependia a felicidade de tão altas personagens, o bem-estar dos seus lares cristãos e o pão de alguns milhares de operários, servos e funcionários, prestava-se às fantasias com paciência de aluna, resignação de mártir e uma imaginação toda fatalista, à mistura, é certo, com um profundo sentido prático da vida. É que, se por um lado ela acreditava estar a fazer alguma coisa pela paz social e pela perenidade das instituições, por outro lado via subir a sua conta na Caixa Geral de Depósitos, à medida que as suas inibições baixavam, o que mais uma vez confirma o velho príncipio físico dos vasos comunicantes. 

 

Vilhena – Branca de Neve e os 700 anões (1962)
Edição fac-símile, A Bela e o Monstro Edições / Rapsódia Final, Unipessoal lda (2014)

 

 

 

 

presente pontual


Cecília

12
Nov17

Así que ese era Rouche, un hombre que llegaba con mucho retraso a la mejor version de sí mismo (...) Pero mientras iba andando hacia la biblioteca, tuvo por fin la sensación de que estaba conquistando el presente. Estaba exactamente donde debía estar. 

 

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)