Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

condição humana


Cecília

12
Fev19

nossa condição humana, que é inimiga de tudo o que é infinito. Opõe-se-lhe o nosso sempre insuficiente conhecimento do futuro; e a isto se chama, num caso, esperança; no outro, incerteza do amanhã. Opõe-se-lhe a certeza da morte, que impõe um limite a qualquer alegria, mas também a qualquer dor. 

 

Primo Levi – Se Isto É Um Homem (1947)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

a problemática do arrendamento - e da habitação em geral


Cecília

10
Mai18

Embora as ruínas das velhas cidades já não sirvam para nos elucidar sobre a qualidade e o aspecto das casas, os papiros falam-nos detalhadamente dos tormentos porque passava um egípcio de terceira classe para conseguir alugar (...) três assoalhadas no sexto esquerdo, sem elevador nem luz na escada. Quando adregava de encontrar uma dessas raras construções (...) com a curiosa designação de rendas limitadas (!) tinham que satisfazer as ilimitadas exigências do senhorio (...) Depois ia muito satisfeito instalar-se no corredor da casa, visto que os três compartimentos assoalhados eram subalugados a outras tantas famílias.

 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

fateixas


Cecília

24
Fev17

(...) o objecto que desenharia de melhor vontade, disse, era uma daquelas pequenas âncoras de quatro braços chamadas «fateixas», que usam os barcos de pesca. Apontou-me algumas ao passarmos junto dos barcos atracados ao cais, e  explicou-me as dificuldades que apresentavam os quatro ganchos para se desenharem nas várias inclinações e perspectivas. Compreendi que o objecto continha uma mensagem para mim, e que eu tinha de decifrá-la: a âncora, uma exortação para me fixar, para me agarrar, para fundear, pondo fim ao meu estado flutuante, ao meu boiar à superfície. Mas esta interpretação podia dar azo a dúvidas: podia ser até um convite a zarpar, a fazer-me ao largo. Algo na forma da fateixa, os quatro dentes achatados, os quatro braços de ferro gastos pelo roçar nas rochas do fundo, advertiam-me que qualquer decisão não seria isenta de abalos e sofrimentos. 

 

 

Italo Calvino – Se Numa Noite de Inverno Um Viajante (1979)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

 

Aurélia de Souza

Barcos de Pesca (não datado)

Óleo sobre tela - 33,2 x 24 cm