Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

17 Dez, 2019

consumismo ritual

Já te foi dito, ó homem, o que convém, o que o Senhor reclama de ti: que pratiques a justiça, que ames a bondade, e que andes com humildade diante do teu Deus*   * Ó homem: é a resposta do profeta, marcando a preeminência da rectidão moral sobre o conformismo ritual.    
gostaria de deixar claro que a nostalgia extremada ou o optimismo cego no progresso, e especialmente num crescimento histérico e infinito, são irracionais e que o uso da temperança e de algum conhecimento factual poderão trazer coisas boas no momento de pesar o que pode ou deve ser preservado do passado, quais as importantes conquistas do presente, e o que é desejável no futuro.    Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019) Fundação (...)
10 Out, 2019

só com loucos

Perfeitamente desesperado é o meu sonho  Os pássaros insultam-me na cama Só com doidos com doidos amaria  perfeitamente presente na frescura do mar    António Ramos Rosa - Obra Poética I  Assírio & Alvim (2018)        
Edouard Manet (1832-1883) La plage à marée basse     Estamos nus e gramamos. (...) As paisagens continuam a existir. As paisagens são suaves. Continuam também a existir outras coisas que dão matéria para poemas. A vida continua.  Felizmente que há ódios, comichões, vaidades. A estupidez, esta crassa crença intratável, esta confiança indestrutível    em si mesmo, é o que felizmente dá uma densidade, uma plenitude a isto. Num mundo descoroçoante de puras imagens é bom (...)
Uma certa atenção treinada pela História poderia discernir neste jovem par (...) o toque subtil da decadência precoce, o drama de uma geração que já não pertence ao passado mas dele traz a herança suficiente para sentir que falhou o futuro.    Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991) Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)      
03 Jul, 2019

quizá mañana

Quando um homem tem na vida uma razão de esperança é como se crescesse um palmo de altura. Mas se se juntam duas dessas razões, um homem perde a medida do seu tamanho.    Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991) Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)     Amor Te siento cerca cuando estamos lejos Porque te llevo aquí en mi corazón No sé perderme de tu amor Quizá mañana cuando estemos viejos Y se nos arrugue un poco el corazón Sabré querer mejor Dicen que este (...)
Recomeça... se puderes, sem angústia e sem pressa e os passos que deres, nesse caminho duro do futuro, dá-os em liberdade, enquanto não alcances não descanses, de nenhum fruto queiras só metade.   Miguel Torga    
08 Abr, 2019

tempo da cura

e eu de olhos fechados e nuca apoiada na parede a rezar uma Avé Maria que tinha obrigação de pôr as coisas em ordem e não punha      António Lobo Antunes – A Última Porta Antes da Noite (2018) Publicações Dom Quixote (2018)