Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

só com um gato morto no focinho (termo tripeiro)

23.06.21

Os Médicos de Saúde Pública defendem que todo o país deve recuar no desconfinamento, para a fase em que está Lisboa.

“Pode levar à necessidade de colocar novas medidas ou até mesmo de parar o plano de desconfinamento, e recuar um passo. Se nós pusermos muitas medidas para Lisboa e Vale do Tejo e nenhumas à volta, os lisboetas vão, como é natural, pegar no seu carro e sair, meter-se no avião e ir para o Algarve ou para as ilhas. Para serem eficazes, as medidas têm que ser a nível nacional”, disse à Rádio Renascença o vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, Gustavo Tato Borges.

“O país precisa de perceber que enquanto não estivermos todos no mesmo ritmo e na mesma onda, no continente, será difícil termos o Norte a desconfinar, Lisboa a confinar e o Centro no meio termo”, disse o especialista.

 

in https://multinews.sapo.pt/uncategorized/governo-pondera-travar-desconfinamento-em-todo-o-pais-saiba-as-medidas-que-podem-vir-ai/

 

 

das tripas, amor

07.06.21

A comida faz bem aos nervos e ao espírito. A coragem vem do estômago - tudo o resto é desespero. 

 

Charles Bukowski – Correios (1971)

Antígona (2015)

 

 

ter norte

14.05.21

Cláudia, uma professora de 45 anos, também nunca tinha feito qualquer acção de voluntariado até ao incêndio de 17 de Junho. Nessa altura estava de férias e diz que, depois de saber da calamidade que se abatera não muito longe de Abrantes, onde reside, andou «três dias muito vazia» até decidir que tinha de fazer alguma coisa. Também criou um grupo no Facebook, com o nome Corações Maiores, que, além dos moradores da zona de Pedrógão, apoiou pessoas do concelho de Mação, muito afectado pelos incêndios de 2017. «Éramos e continuamos a ser pouquinhos. Um grupo de pessoas da minha confiança, que foi em busca de bens recolhidos em espaços comerciais. O que conseguimos não é nada como se consegue lá no Norte», diz. 

 

Patrícia Carvalho – Ainda aqui estou (2018)

Fundação Francisco Manuel dos Santos e Patrícia Carvalho (2018)

 

 

lume aceso

05.05.21

O próprio «Chico Fininho» tinha surgido assim, com um desconhecido a cantar acompanhado à guitarra. Segundo António Duarte, «foi a Lena d'Água que me deu uma cassete, na Drogaria Ideal». E acrescentou: «se gostares passa, é de um amigo meu do Porto, chama-se Rui Veloso». 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)
Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018) 

 

 

 

sonho e memória

26.08.20

Acabada a escola, tinham à sua espera o complemento do trabalho familiar. Dar de comer ao gado, ajudar no campo, e mais e mais. Todos os dias. Os relatos sobrepõem-se e não chegam do fundo dos tempos. São frescos de uma arrepiante contemporaneidade:

- Lá em casa dividíamos uma sardinha por quatro. 

- Nós dividíamos uma sardinha por sete.

- Eu passei muita fome.

[...]

- Mas quando tocava a brincar, era uma alegria! Era tudo da nossa imaginação e do nosso engenho. Dançávamos, cantávamos, bailávamos. Foram tempos que ninguém sonha como eram. E, contudo, éramos alegres, divertíamo-nos com nada, construíamos os nossos brinquedos. Tristes das crianças de hoje a quem entregam tudo feito e não aprendem a sonhar. 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)

Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

 

 

cidade

10.03.20

detesto estar longe das cidades porque tudo me ameaça sob esta paz aparente, este falso sossego em que não acredito 

 

António Lobo Antunes – A Última Porta Antes da Noite (2018)

Publicações Dom Quixote (2018)

 

Porto-II.jpg

City of Porto / Oporto in Portugal

Rui Carruço

 

 

557.jpg

Casamento na Aldeia

Sarah Affonso

 

 

estações

28.09.17

O extinto Mosteiro de São Bento da Ave-Maria ficava precisamente onde hoje está a Estação de São Bento, entre as Ruas do Loureiro e da Madeira, tendo à frente um amplo logradouro, que é na actualidade a Praça de Almeida Garrett (...) Do Mosteiro de São Bento da Ave-Maria e da sua igreja já nada resta. Apenas e só a memória escrita, o que já não é mau. Quando começaram as obras para a construção da estação ferroviária, chegou-se à conclusão de que o espaço não era o suficiente para uma estação central. Os técnicos pensaram então em prolongá-la, construindo um viaduto sobre o espaço que é hoje a Praça de Almeida Garrett, expropriando, para tanto, os prédios que estavam na frente. O elevado custo da operação contribuiu para que o projecto se não concretizasse (...) Em 1929, o Engº Jaime Nogueira de Oliveira, numa conferência que pronunciou sobre « A estação do Porto », reconheceu que para se fazer uma estação se sacrificara um monumento. « Agora, nem monumento nem estação que satisfaça. São Bento servirá apenas, no futuro, de estação de trâmueis, destinando-se a de Campanhã aos comboios de longo curso...» Profético.

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

crédito imagem: https://i.pinimg.com/736x/0d/96/9b/0d969bfb380565010715e0587f045619--porto-portugal.jpg

 

o março que marca

05.09.17

Na história do Porto, Março aparece como um mês marcado por várias tragédias que, ao longo dos tempos, enlutaram profundamente a cidade. Uma das maiores foi o naufrágio do vapor Porto, a 29 daquele mês de 1852. Quarenta e três anos antes, a 29 de Março de 1809, havia ocorrido a horrível tragédia da Ponte das Barcas, que provocou cerca de cinco mil mortos. Deu-se quando o general Soult entrou no Porto, à frente dos invasores franceses. Outra grande catástrofe que teve o mês de Março como referência foi a do Teatro Baquet, que se verificou no dia 21 daquele mês, no ano de 1888 (...) o Teatro Baquet ardeu na noite de 20 para 21 de Março de 1888 (...) Representava-se a peça Os Dragões de Villares, que foi um dos maiores sucessos teatrais de que há memória em Portugal. Além daquela peça, estava anunciada também a representação de uma revista espanhola em que se parodiava a Gran Via. Foi quando decorria esta representação que o pano da boca do palco desceu abruptamente. O público não percebeu o que se estava a passar. De repente alguém gritou: «Fogo! Fogo!» (...) o fumo começava já a sair do palco em espessos e negros rolos. Uma mole de gente aos baldões e atropelando-se buscou saída pela Rua de Santo António (...) Alguém ainda teve o sangue-frio suficiente para ir fechar o gás. Mas era tarde de mais. Em breves minutos, que pareceram anos, o fogo apossou-se de todo o edifício. O fumo asfixiava e as chamas, avançando, empolgavam a cena macabra. Quando se ia tocar a fogo na torre da Igreja de Santo Ildefonso, a corda do sino quebrou. Aconteceu o mesmo na Igreja dos Congregados (...) O balanço final foi de oitenta e oito mortos e muitos feridos (...) As vítimas da tragédia do Baquet repousam no cemitério de Agramonte, num mausoléu que tem como característica especial ter sido «decorado» com pedras e ferros calcinados retirados dos escombros do teatro. 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

 

 

com o rio à porta

05.09.17

 

Com a foz do rio à porta (...) a cidade transformou-se (...). «O Douro», escreveu Cruz Malpique, «foi que fez o Porto tal como foi, tal como é, tal como será sempre: trabalhador, independente, vigoroso, de falas desassombradas, de cerviz bem erguida, batendo o pé a todas as tiranias

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

de profundis

09.08.17

  Eram dez da manhã do dia 7 de Maio de 1829 quando os padecentes deixaram a prisão a caminho do cadafalso. O macabro préstito abria com uma força militarizada. Um autor da época escreveu que a cena tinha mais de «auto-de-fé do que do cumprimento de uma sentença saída do tribunal secular...». Os irmãos da Misericórdia seguiam junto à bandeira da irmandade, desfraldada ao vento, e «ao lado da zumba pintada de negro com os símbolos que nos ficaram do paganismo - a ampulheta, a foice e a caveira...», como refere ainda o citado autor.

  Mais ou menos a meio do tétrico cortejo ia içado ao alto o crucifixo, com a figura do crucificado voltada para os condenados.

  Toda a cidade do Porto assistiu na rua, horrorizada, ao desfilar desta verdadeira procissão canibalesca.

  Misturados no meio da tropa, dos irmãos da Misericórdia e dos meirinhos seguiam numerosos padres e frades que interrompiam de tempos a tempos o salmodear monocórdico do latim com estridentes gritos de «miserere...miserere...miserere...».

  O cortejo atravessou o amplo Largo do Olival, o tal que depois se chamaria dos Mártires da Pátria, meteu pela Rua da Natividade, actual Rua dos Clérigos, e entrou na Praça Nova. As forcas eram de construção muito simples (...). « Ao redor dos patíbulos estavam os condenados à morte metidos nas suas alvas com a cabeça descoberta e os pés nus e dois ou três frades confessandos-os e absolvendo-os em nome do céu próximo, dependente de um nó corrido na garganta...» (...) O espectáculo no amplo logradouro da Praça Nova era de arrepiar: a um lado perfilavam-se os meirinhos e escrivães da justiça « de capa e batinas negras, calção, meia e sapato afivelado, como manda a Ordenação»; a outro canto os clérigos, que em coro acompanhavam o rufar surdo dos tambores clamando « de profundis clamav ad te...». Junto aos patíbulos, nos primeiros degraus da escada, os carrascos esperavam. Todo este aparato era guarnecido pela tropa enfileirada que formava um amplo e luzido quadrado. De espaço a espaço um meirinho gritava um nome e o carrasco apoderava-se do condenado. Vinha sempre seguido de um frade que lhe rezava baixo ao ouvido. O carrasco metia-lhe na cabeça o capuz branco que o preso trazia suspenso nas costas, passava-lhe o nó da corda na garganta, suspendia-a a seguir na trave da forca e consumava-se o acto.

  Enforcar um homem demorava meia hora e como naquele primeiro diz eram dez, as cerimónias da Praça Nova acabaram pela uma da tarde.

  Às execuções assistiram divertidos e no meio de grande gáudio os frades lóios e os dos Congregados. Os respectivos conventos davam para a praça (...) Enquanto assistiam aos enforcamentos dos liberais, os frades davam vivas a D. Miguel e à santa religião e brindavam com vinho do Porto.

  Terminadas as execuções, os cadáveres dos enforcados foram decapitados, como se ordenava na atroz sentença. Os corpos foram levados pelos irmãos da Misericórdia para enterrar no adro dos enforcados, que ficava em terrenos onde hoje se situam as traseiras do Hospital de Santo António. As cabeças, espetadas em longas varas, ficaram durante vários dias expostas em frente às casas dos familiares das vítimas, na Foz, na Cordoaria, na Vila da Feira, em Aveiro e Coimbra. Os dois carrascos, o célebre João Branco e um outro que viera de Lisboa, no final das execuções foram displicentemente lavar as mãos tintas de sangue no tanque da Natividade que havia na Praça Nova e que ficava onde está agora a filial do Banco de Portugal  (...) Logo a seguir à entrada no Porto das tropas liberais, em 1832, sob o comando do rei D. Pedro IV, o povo foi à Praça Nova e derrubou as forcas que ainda ali estavam erguidas. Depois correu à Cadeia da Relação, arrombou a porta e abateu a tiro o sanguinário João Branco, carrasco dos liberais. Tudo isto acontecia enquanto os miguelistas fugiam espavoridos da cidade com medo de represálias. Só que os liberais foram muito mais condescendentes do que os miguelistas se haviam mostrado antes (...) Em 18 de Junho de 1878, as ossadas dos doze liberais foram solenemente transladadas para um mausoléu, especialmente construído para o efeito, e que está colocado no cemitério privativo que a Santa Casa da Misericórdia tem no Prado do Repouso.

  Em 1914, a Câmara Municipal do Porto mandou colocar no sopé da estátua de D. Pedro IV, na Praça da Liberdade, placas de bronze com os nomes dos doze mártires, para honrar a sua memória no mesmo local onde padeceram a pena máxima por amor da sua causa.

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

«Se, na nossa cidade, há muito quem troque o b por v, há muito pouco quem troque a liberdade pela servidão»

Almeida Garrett