Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

society, amplexo-te

09.11.21

O real é uma invenção deste opaco amplexo

em que o prodígio é a simplicidade e a opulência

de uma ignorância que habita a medula dos sentidos.

 

António Ramos Rosa in EXTREMAMENTE NUA - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

de frente para o sol

11.10.21

Avanço através de um caos silencioso.

[...]

É vazio o princípio do princípio.

A possibilidade de nascer é o desejo que nasce.

Esquecer, viver. 

 

António Ramos Rosa in UM DISCURSO TRANSPARENTE - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

livre

14.07.21

Estou à beira. Escuto. É todo o mar que em mim ressoa

[...]

e tudo está em si porque as próprias sombras amam. 

 

António Ramos Rosa in NA DISTÂNCIA SEM DISTÂNCIA  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

vivendo e aprendendo

21.06.21

Tu te ofereceste aberta como eras 

no sentido da dança, do fogo e do mar 

 

António Ramos Rosa in ENCONTRO - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

ilha

11.06.21

Cheguei a um silencioso, a um suave centro. 

[...]

Estou isolado, aberto a uma vida repentina. 

[...]

Feliz, feliz, na fescura das veias, nos músculos libertos. 

 

António Ramos Rosa in TANGÊNCIA NO CENTRO - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)