Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

12
Dez22

terceira semana do advento

Cecília

«Houve uma senhora que tinha um marido que trabalhava fora, no Iraque ou na Arábia Saudita, ou lá o que era, que nos apareceu no CATUS com uma cólica renal.» Inscrição feita, vez chegada, o médico interpela a paciente sem a observar. «Como ela disse que era costume ter cólicas renais, ele encaminhou-a para a sala de tratamento, para levar uma injecção.» Na sala, estava de serviço um enfermeiro que pertencia ao quadro de um hospital e que fazia horas extra naquele  serviço do Algueirão. «Era um indivíduo muito batido, com experiência de hospitais, onde aparece de tudo. Solteiro, mas muito sabido», assegura Lurdes. «Quando ele manda a senhora despir as calças, olha para a barriga dela e manda chamar o médico.» O que alegadamente seria uma cólica renal era, afinal, uma gravidez em fase final. Literalmente. «Acontece que as dores já eram do parto e ela começa a dar à luz. E a criança acabou por nascer lá.» Entretanto o marido tinha acompanhado a paciente e encontrava-se na sala de espera. «Ele tinha vindo de férias há dois ou três dias, só que tinha estado fora um ano e tal. E não deu por nada.» João e Lurdes acreditam que ela contava ter tido a criança mais cedo, antes do regresso do marido, podendo assim desfazer-se dela, «de certeza absoluta». O médico então vem ter com o cônjuge e informa-o de que a mulher está prestes a parir, ante o ar incrédulo do interlocutor. «Não pode ser!» «Ai pode, pode.» Quando finalmente se conclui o parto e o emigrante enganado entra na sala de recobro improvisada, a mulher reage da seguine forma: «Vês, puseram-me aqui esta criança, o filho não é meu, puseram-mo aqui ao lado. Eu estou com uma cólica renal e estes sacanas meteram-me aqui uma criança!» [...] ainda assim, perante todas as evidências, a mulher passou a viagem para o hospital a negar convictamente a maternidade. Não sabemos se até hoje. «Depois é que os bombeiros nos contaram, ela ia com o marido na ambulância, porque tiveram de ser encaminhados para uma maternidade, e dizia sempre que a criança não era dela.»

 

Pedro Vieira – Em que posso ser útil? (2021)

Fundação Francisco Manuel dos Santos e Pedro Vieira (2021)

 

 

06
Dez22

a cor [e a fala] do invisível

Cecília

De manhã são dezenas e durante a madrugada os autocarros transportam quase exclusivamente estas trabalhadoras[...] As noites nos autocarros da Carris, em Lisboa, e as conversas com quem acorda às três ou quatro da manhã para trabalhar deixaram a certeza de que este trabalho não é conhecido, nem reconhecido [...] as trabalhadoras de limpeza industrial são as que estão mais expostas. Limpam centros comerciais, escritórios, hospitais, aeroportos, bancos, lojas, estão em todos os edifícios, porque é raro o edifício que não tem uma empregada de limpeza. Ou um empregado. Ainda assim, apesar de se cruzarem com dezenas de pessoas todos os dias, continuam a passar despercebidas.[...]

A dirigente sindical Vivalda Silva admite a realidade e admite também, depois de umas contas de cabeça, que, no Oeiras Parque, por exemplo, os números são fáceis de apurar: «As trabalhadoras são maioritariamente africanas, uns 90%. Aliás, nem me lembro se está lá alguma portuguesa.»

O Centro Comercial Colombo, na freguesia de Benfica, segue a mesma tendência [...] «em 30 e tal pessoas em cada turno[...] 95% são africanas». [...] Basta fazer uma viagem de autocarro durante a madrugada para perceber que as mulheres negras são a maioria [...] Sanie dos Santos Reis [...] fez um exercício que permitiu transformar a observação em números [...] Em três meses, viu 2369 mulheres naquele autocarro às cinco e meia da manhã. Desse total, 2132 eram negras ou de nacionalidade estrangeira. Além do autocarro [...] fez 64 viagens no comboio que liga Sintra a Lisboa. A conclusão é a mesma: das 1820 mulheres, 1660 eram negras ou de nacionalidade estrangeira. 

 

Rita Pereira Carvalho  – As Invisíveis, Histórias sobre o trabalho de limpeza (2022)

Fundação Francisco Manuel dos Santos, Rita Pereira Carvalho (2022)

 

 

29
Nov22

manifs

Cecília

Os romances fazem mal a muita gente, menos aos autores. Há pessoas que não conseguem encontrar na vida vulgar o lugar próprio, e depois querem conquistá-lo à força. Julgam-se excepcionais e acusam os outros de não os compreenderem. 

 

Agustina Bessa-Luís – Fanny Owen (1979)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

12
Out22

acabou

Cecília

- Ou não te serve a companhia? Eu sou boa pessoa.

- Há boas pessoas que nos metem medo. 

 

Agustina Bessa-Luís – Fanny Owen (1979)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

27
Set22

impressão vincada

Cecília

As pessoas que apenas retêm uma impressão das coisas [...] são as que mantêm o equilíbrio no meio da corrente.

 

Virginia Woolf – As Ondas (1931)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

21
Set22

transcendência precisa-se

Cecília

[...] ensinaram que a sabedoria de vida se conquista com experiência e solidariedade e não com graus académicos; que os seres humanos, mesmo nas condições mais adversas, não perdem a esperança, o desejo de transcendência e a aspiração de justiça; que há muitos conhecimentos, para além dos académicos e científicos, muitas vezes nascidos nas lutas contra a opressão e a injustiça; que a solidariedade não é dar o que sobra mas o que faz falta; que a sociedade injusta não é uma fatalidade; e que o amanhã não é um futuro abstrato – é o amanhã mesmo.

in https://visao.sapo.pt/jornaldeletras/ideiasjl/2022-09-21-descolonizar-o-bicentenario-da-independencia-do-brasil/?utm_source=Activa&utm_medium=Gaveta_Multimarca&utm_campaign=Gavetas_Artigos_22

 

 

04
Ago22

mai'nada

Cecília

A nossa sociedade tem perdas que são socializadas e lucros que são privatizados porque as transações e investimentos nem sempre têm de ser públicos, para que haja empresas que continuam a receber auxílios estatais, apesar de distribuírem dividendos aos seus acionistas

Marlene Engelhorn

A herdeira que rejeitou quatro mil milhões de euros: “Não quero ser tão rica”

 

 

01
Ago22

Maria Adelia Coutinho Freire de Andrade de Barros

Cecília

A ideia de que as pessoas percebidas como sendo de raças ou etnias diferentes constituem uma ameaça está bem patente em inquéritos europeus e nacionais. De uma forma geral, também os imigrantes são percebidos como uma ameaça [...] A nível das instituições europeias encontra-se também esta ligação entre imigração e preocupação com a segurança nos países europeus.

 

Jorge Vala  – Racismo, Hoje, Portugal em Contexto Europeu (2021)

Fundação Francisco Manuel dos Santos, Jorge Vala (2021)

 

 

25
Jul22

"Qualquer um pode se afogar, ninguém deveria”: 25/7 – Dia Mundial de Prevenção do Afogamento

Cecília

The bodies of Salvadoran migrant Óscar Alberto Martínez Ramírez and his nearly 2-year-old daughter Valeria. Photo: Julia Le Duc/AP/Shutterstock/Julia Le Duc/AP/Shutterstock

 

[...] migrants, including children are believed to have drowned [...]

 

German rescuer from the humanitarian organization Sea-Watch holds a drowned migrant baby, off the Libyan coast on May 27, 2016.

 

Alan Kurdi's corpse, photographed by a Turkish journalist in the morning's early light on September 2, 2015, looked at first like a sleeping toddler, the 3-year-old's cheek pressed against the sand in breaking water. It was an image that ripped through a crowded news cycle, articulating without words the horror of what was unfolding on the beaches reserved for carefree Mediterranean holidays. Alan was one of millions of Syrians fleeing that country's brutal civil war, but it was the photograph of his death that raised global consciousness to the refugee crisis. The image was shared, retweeted, published and discussed across the world, and then forgotten.

in https://www.ndtv.com/world-news/after-photo-of-her-drowned-nephew-went-viral-syrian-woman-tells-story-1904507

 

30
Jun22

responsabiliza-te

Cecília

Está numa ira que ele não conhece, surda, má. Diz:

- Pretende dispor da ideia de Deus como se essa ideia fosse uma mercadoria, espalhá-la por toda a parte, gritante e velha, como se Deus precisasse de si para alguma coisa [...]

Ela continua: Quando chora, chora por não impor Deus. Por não poder roubar Deus e dispensá-lo.

 

Marguerite Duras – Olhos Azuis, Cabelo Preto (1986)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2022
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2021
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2020
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2019
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2018
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2017
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2016
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub