Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

ad maiora natus sum

12.05.21

O sol é uma noite suave

[...]

Reconheço um caminho entre dois reinos.

[...]

Ser sem qualidades,

consciência sem palavras.

 

Paciência na cor e na pedra

do ser. O esplendor dos sulcos brancos.

Abóbada de ausência, círculo do universo.

O que permanece ondula entre o verde e o vento. 

 

 

António Ramos Rosa in MEDIADORA DA AUSÊNCIA - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

pedra fundamental

18.03.21

Se não houvesse o cansaço

das pedras

que não são pedras

que são apenas cansaço sem nenhuma pedra

[...]

Farei o que puder

com a palavra pedra

quer tenha a pedra ou não 

[...]

 

Saio do buraco

vou ao teu encontro

com a minha pedra

 

É uma pedra mesmo?

Inventada ou não

inventada e não

é a minha pedra

 

e por isso dou-ta

com o calor da mão 

 

[...]

 

A pedra que encontrei

quando ta quis dar

quando te encontrei 

 

 

António Ramos Rosa in  A MINHA PEDRA PARA JOSÉ GOMES FERREIRA  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

haja samba e axé

18.02.21

É pesada a pedra desta vida

que a morte enterra a cada passo

mas quem vive a luz da nova vida

senão a palavra que levanta a pedra 

 

António Ramos Rosa in  À MEMÓRIA DE VÍTOR MATOS E SÁ  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

pedreiras celestiais

19.11.20

o meu pai morrera há uns meses na explosão da pedreira, não sobrou muita coisa mas o que sobrou num caixão decente, com o fato do cunhado porque não se chega ao Paraíso de capacete e mangas arregaçadas 

 

António Lobo Antunes – A Última Porta Antes da Noite (2018)

Publicações Dom Quixote (2018)

 

 Derrocada nas pedreiras de Borba - 19 de novembro de 2018

 

não! - à regra do jogo

19.04.17

 

Armando Bogus, ator. Da escola dos antigalãs, a mesma de seu colega Lima Duarte, Bogus fez uma carreira amparada em tipos comuns, brasileiros. O dramaturgo alemão Bertold Brecht acreditava que a arte de interpretar é a arte de observar, Bogus gostava de citar Brecht. Acima de tudo, gostava de segui-lo (...) Desde os tempos da ditadura, por causa da militância política, aprendi a observar os outros e a mim mesmo.
Expulso de dois colégios de São Paulo, na década de 50, por militar em grupos de esquerda, Bogus gostava de desafios. Entrou para o teatro já com a incumbência de inaugurar nos palcos a peça O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, no final da década de 50. Fundou, com Antunes Filho e Felipe Carone, o Pequeno Teatro de Comédias, PTC, enquanto encenava peças brasileiras na TV Excelsior. Depois que passou a atuar na Globo, onde fez mais de dez novelas e minisséries, encenou ainda várias peças no teatro, entre elas a comédia Bonifácio Bilhões, que ficou sete anos em cena. Como poucos, soube equilibrar palco e câmaras. Nunca precisou dizer que fazia novelas porque precisava sobreviver. Bogus gostava de TV. Eu sou fascinado pelos dois, declarava.(...) Na pele de (...) o cínico Cândido Alegria, de Pedra sobre Pedra (...) dos personagens mais populares da televisão. Me inspirei no Fradinho de Henfil e no padrão clássico do político mineiro para fazer o Cândido Alegria, explicou o ator.
Deu certo. O político matreiro que percorreu a novela Pedra sobre Pedra como o algoz dos protagonistas era, como Fradinho, apaixonado por suas maldades. Como um político mineiro, um mestre das articulações ardilosas. Para desenhar seus personagens, Bogus levava-os perigosamente perto dos tiques estereotipados sem jamais cair na armadilha que devora tantos atores. Há um limite muito perigoso na procura do tipo brasileiro, reconhecia o ator. Se me perguntar qual é o caráter do brasileiro, diria que é um cara que gosta dos Beatles, mas sem exagero. Para estereotipar menos, prefiro usar a intuição.
Em tempo: Armando Bogus, um brasileiro, gostava dos Beatles. Mas preferia Pery Ribeiro.

 

in http://www.oexplorador.com.br/armando-bogus-ator-da-escola-dos-antigalas-um-mestre-dos-tipos-comuns/

 

 Armando Bogus

(19 de abril, 1930 — 2 de maio, 1993)

 

 

Regra do Jogo

Sá & Guarabira

 

Novela: Pedra sobre Pedra

Personagem: Cândido Alegria