Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

caminhada

11.11.20

Como se seguisse o exemplo do samaritano, a contrariar ordens vindas de homens, Aristides abdicou da carreira, da família, dos amigos e do seu estatuto social, num país que vivia num sistema ditatorial e onde as aparências valiam muito. Preferiu o castigo que se abateu sobre ele e a raiva de certos grupos sociais, que perdura até aos nossos dias neste país. Porém, morreu com a certeza de que a aposta a respeito de Deus tinha sido totalmente ganha. 

Filósofos, pensadores e santos acolheram com grande satisfação a atitude rebelde de Aristides. A Humanidade precisava (e precisa) de gestos desta natureza e dimensão para continuar a sua caminhada. 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

 

modernidade

09.12.19

Voltando a citar Pinker: «A aversão à modernidade é uma das grandes constantes da crítica social contemporânea. Quer seja a nostalgia pela intimidade das cidades pequenas, pela sustentabilidade  ecológica, pela solidariedade comunitária, pelos valores familiares, pela fé religiosa, pelo comunismo primitivo ou pela harmonia com os ritmos naturais, todos querem que o relógio retroceda. O que a tecnologia nos deu, questionam eles, excepto a alienação, a espoliação, a patologia social, a perda de sentido e o consumismo que está a destruir o planeta para nos dar McMansions, utilitários desportivos e reality shows na televisão? 

Os defensores da modernidade, por outro lado, sublinham as dificuldades diárias anteriores às sociedades sedentárias, e como os nossos antepassados «viviam infestados de piolhos e parasitas em caves atulhadas com as suas próprias fezes (...) Mas não era apenas o mais elementar conforto que faltava aos nossos antepassados. Eram também as coisas mais elevadas e nobres da existência, como conhecimento, beleza e contacto humano. Até há pouco tempo, a maior parte das pessoas não viajava mais do que alguns quilómetros para lá do seu lugar de nascimento

 

Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019)
Fundação Francisco Manuel dos Santos e Afonso Cruz (2019)

 

Uyo Meyo (English translation)
Artist: Teni (Nigeria) (Teniola Apata)

Let's Rejoice


Let's dance always, let's always rejoice
The joy I have expressed for others shall be my portion too
I rejoiced with you, I rejoiced with you
I rejoiced with you and now it is my time to rejoice
I rejoiced with you, I rejoiced with you
The joy I have expressed for others shall be my portion too

Everybody's born a winner, yeh yeeh
If only you just believe, yea eh yeh eh
Close your eyes and come and see, nah yea eh yeh eh
Don't you worry about a thing, nah

Cause if you work hard
You can get it if you work
If you strive hard
You can be just what you want
If you work hard
You can climb the mountain tall
Cause nothing is too small
And nothing is too big

I rejoiced with you, I rejoiced with you
The way I celebrate and rejoice with other people, it is my turn to be celebrated
I rejoiced with you, I rejoiced with you
The joy I have expressed for others shall be my portion too
Eh yeh

What my eyes have seen, eyeh
What my eyes have seen, ye yeh
Don't let them tell you "you can't"
And they won't help you, just so you know
Just keep on pushing oh oh uh oh

The heights my father was not able to attain
I will attain that height and surpass it
The heights my mother was not able to attain
I will attain that height and surpass it
May my Ori bring me wealth
May my Ori bring me wealth
Do not sleep, my Ori!

I rejoiced with you, I rejoiced with you
The way I celebrate and rejoice with other people, it is my turn to be celebrated
I rejoiced with you, I rejoiced with you
The joy I have expressed for others shall be my portion too

Here are my hands, they are clean and pure
I’ll progress confidently or I’ll go higher with confidence
Teni, I'm a true born, I am Apata's daughter
I'm resolute, I stand unshakable on my feet
They thought I was finished
But God had other plans
They thought it was over,
But God said it’s not over yet!
Children's are one's clothing in this life
Olaosebikan, you must not sleep (in heaven)!
May you stand by me everyday
Don’t let my enemies collide with my Ori (destiny), please!
Wherever you are, I know you are proud of me
Because I'm an achiever, I'm a success in my life!
Because I'm a bold conqueror

I am fortunate in life, I'm an achiever
I've done well in life.

https://lyricstranslate.com/en/uyo-meyo-lets-rejoice.html

 

pinturas e adornos

03.12.19

Vivemos uma era de enganos, de perucas, pinturas e adornos, em que tudo o que a natureza foi pródiga a oferecer à humanidade não passa senão de uma tela base que precisa de melhoramentos. A maioria de nós esconde-se por detrás de um rosto pintado, sendo muito poucos os que se deixam ver como realmente são. 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

o que nos distingue

01.11.19

«Beber quando não temos sede e fazer amor em qualquer altura do ano, minha senhora; é isso que nos distingue dos animais» (Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais, Le Mariage de Figaro).

 

 

Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019)
Fundação Francisco Manuel dos Santos e Afonso Cruz (2019)

 

 

 

 

gretas da vida moderna

30.10.19

«Passamos o tempo a criar coisas para não nos mexermos, carros para não termos de andar, controlos remotos para não nos levantarmos do sofá, e depois pagamos um ginásio. Pagamos porque criamos utensílios que nos permitem evitar actividades físicas (...) E é exactamente por isso, devido a essa extrema sedentarização, que nos vemos obrigados a mexer-nos. Para isso, basta pagar por uma coisa que evitamos a todo o custo e pela qual trabalhamos tantas horas diárias durante tantos anos: esforço físico. Passar essas oito horas diárias num escritório acinzentado, sentados, e ainda pagar para fazer exercício físico é uma excelente parábola da vida moderna». 

 

Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019)
Fundação Francisco Manuel dos Santos e Afonso Cruz (2019)

 

 

 

alterações (eco)comportamentais

29.10.19

Abro os olhos

e a terra é verde.

 

Enlaço troncos

e o mundo é meu. 

 

 

António Ramos Rosa in SEIS POEMAS DA TERRA - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

 

galáxia espiral barrada

10.10.19

« O álcool é uma molécula rara na natureza. Além da sua produção pelas leveduras, a síntese alcoólica está limitada à germinação de sementes e alguns tipos de bactérias. Essas bactérias tendem a gerar maus sabores - que podem estragar a cerveja e a sidra -, mas, para gáudio dos cervejeiros, dificilmente competem com as leveduras. O álcool também é produzido sem intervenção biológica, em nuvens interestelares. A maior destas nuvens moleculares próxima do centro da Via Láctea chama-se Sagitário B2, e contém álcool suficiente para encher 1028 garrafas de vodca, que, curiosamente, pesariam cinco vezes mais do que todos os planetas do Sistema Solar» (Nicholas P. Money, The Rise of Yeast - How the Sugar Fungus Shaped Civilization). 

Quando falamos em 100 000 000 000 000 000 000 000 000 000 garrafas de vodca, só em uma das nuvens moleculares da Via Láctea, já não nos parece tão pouco (tenho amigos que discordariam, mas não serão a maioria). São restos, mas, de certo ângulo, causam a sua impressão. Talvez o «lácteo» da nossa galáxia não seja o baptismo mais apropriado. 

 

Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019)
Fundação Francisco Manuel dos Santos e Afonso Cruz (2019)

 

faxina deliciosa

11.07.19

Hoje Eu Sei
Vanessa da Mata / Jonas Myrin
(Sereia de Água Doce / Duva Songs/Songs of Universal, Inc. [BMI])

 

Na minha vida hoje eu sei
Quem é dor, quem é luz, quem é fuga
Quem estraga ou quem estrutura
Quem é adubo, terra ou rosa
Hoje eu sei quem é conto, romance ou prosa
O silêncio amigo ou a cobra
Só não sei quem é o mistério

Ninguém me ensinou a amar
Me cuidar ou escolher
Das sutilezas entre tédio e paz
Sempre acompanhada e só,
Merecia muito mais, de mim mesma

O tempo entregou você
Depois que aprendi dizer não
E retirei o que me atrasava

Limpei minha estrada antiga
Mudei minhas velhas formas
Fiz a faxina pra você entrar

Ninguém me ensinou a amar
Me cuidar ou escolher
Das sutilezas entre tédio e paz
Sempre acompanhada e só,
Merecia muito mais, de mim mesma

O tempo entregou você
Depois que aprendi dizer: não
E retirei o que me atrasava

Limpei minha estrada antiga
Mudei minhas velhas formas
Fiz a faxina pra você entrar

Lá, lá, lá...

Aonde a fome vivia
Joguei minhas cores fartas
E como a natureza é sábia
Tem mazelas, mas tem cura
A solidão fazia casa mas
Plantei minhas jaboticabas lá

 

 

natureza

03.06.19

essa pergunta que regressa ciclicamente ao seu espírito: o que é a Natureza?

Raimundo olha à sua volta e, nas ruas de Mafra ou nas colinas verdes salpicadas de moinhos e casitas brancas não vislumbra anjos, nem madonas, nem santos, nem cordeiros de Deus. O que vê é uma outra natureza habitada por rudes cavadores, saloias dobradas para a terra das hortas, o oleiro com o barro nas mãos como uma segunda pele, o sapateiro na banca a furar o couro com a sovela, o tanoeiro a ajustar as aduelas de folha numa celha, o ferreiro com o corpo de bronze entre o fole e a bigorna, o regatão bocejando à porta da lojeca, o carpinteiro de formão apontado a uma tábua de pinho, o aguadeiro de porta em porta, a alombar com o barril.

É essa gente que ele tem ganas de pintar. E decide que essa gente e essa gana são, para ele, a Natureza. A Natureza que ele gostaria de trazer para fora da obscuridade das igrejas e da privança dos palácios. 

 

Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

anunciação---na-eira-fit-555x353-6.jpg

Na eira , 1861

Tomás da Anunciação