Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

estradas e janelas da memória


Cecília

04
Jul18

Os correios acabam de abrir e Manuel Moita dirige-se para lá. Tem oitenta e três anos, Alzheimer, e vai aos correios várias vezes por dia para saber se tem correspondência. As pessoas têm paciência e lamentam aquela insistência que nasce da solidão e da doença.

     Os guardas sorriem quando o vêem. O cabo buzina enquanto o sargento Oliveira acena para o velho, que se assusta, encostando-se à parede. Então, no meio da confusão da sua cabeça, parece reconhecer aquelas caras e também acena, retomando a caminhada, mas em sentido contrário. Já  não se lembra de que ia aos correios e volta para casa. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

 

o março que marca


Cecília

05
Set17

Na história do Porto, Março aparece como um mês marcado por várias tragédias que, ao longo dos tempos, enlutaram profundamente a cidade. Uma das maiores foi o naufrágio do vapor Porto, a 29 daquele mês de 1852. Quarenta e três anos antes, a 29 de Março de 1809, havia ocorrido a horrível tragédia da Ponte das Barcas, que provocou cerca de cinco mil mortos. Deu-se quando o general Soult entrou no Porto, à frente dos invasores franceses. Outra grande catástrofe que teve o mês de Março como referência foi a do Teatro Baquet, que se verificou no dia 21 daquele mês, no ano de 1888 (...) o Teatro Baquet ardeu na noite de 20 para 21 de Março de 1888 (...) Representava-se a peça Os Dragões de Villares, que foi um dos maiores sucessos teatrais de que há memória em Portugal. Além daquela peça, estava anunciada também a representação de uma revista espanhola em que se parodiava a Gran Via. Foi quando decorria esta representação que o pano da boca do palco desceu abruptamente. O público não percebeu o que se estava a passar. De repente alguém gritou: «Fogo! Fogo!» (...) o fumo começava já a sair do palco em espessos e negros rolos. Uma mole de gente aos baldões e atropelando-se buscou saída pela Rua de Santo António (...) Alguém ainda teve o sangue-frio suficiente para ir fechar o gás. Mas era tarde de mais. Em breves minutos, que pareceram anos, o fogo apossou-se de todo o edifício. O fumo asfixiava e as chamas, avançando, empolgavam a cena macabra. Quando se ia tocar a fogo na torre da Igreja de Santo Ildefonso, a corda do sino quebrou. Aconteceu o mesmo na Igreja dos Congregados (...) O balanço final foi de oitenta e oito mortos e muitos feridos (...) As vítimas da tragédia do Baquet repousam no cemitério de Agramonte, num mausoléu que tem como característica especial ter sido «decorado» com pedras e ferros calcinados retirados dos escombros do teatro. 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)