Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

passado a dois

Quando acordaram de manhã, na mesma cama, ela disse-lhe que queria ter um passado com ele. Não era um futuro, que é uma coisa incerta, mas um passado, que é isso que têm dois velhos depois de passarem uma vida juntos. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

Painter's Honeymoon (1864)

Frederic, Lord Leighton

 

 

distância entre pessoas

Bonita, pensa ele e não nota que, apesar de estar muito próximo dela, ela está muito longe dele. Funciona assim a distância entre as pessoas. De um lado é perto, do outro é longe. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

 

o melhor é dar a volta

- Isto o melhor é dar a volta - atirou um fulano que passava ao lado do Palha. 

- Não anda, é? - perguntou o Palha. 

- Oh, pelo menos mais meia hora. 

- Atão porquê?

- Foi ali um gajo numa Toyota que deu uma passa num preto. 

- Num preto?

- Sim, num preto, tá práli a gemer debaixo do carro e não há meio de virem os bombeiros. 

- Mas já chamaram?

- Eu acho que sim, mas também não confirmei porque tenho a bateria do móvel quase no fim. 

- E o gajo está mal?

- Quem? O preto, ou o gajo do Toyota? 

- O preto - clarificou o Palha. 

- Deve tar, o gajo só geme, mas também não dá pra ver nada que ele tá lá mesmo debaixo. 

- E o gajo do Toyota?

- Esse tá de cabeça perdida, já viu o que é?

 

 

 

Ricardo Adolfo,  Mizé - Antes gálderia do que normal e remediada 

Alfaguara (2011)

 

 

 

 

 

 

notas de todas as línguas

Eu, por vezes, sinto-me vazio. A minha ciência é desprezada. O conhecimento não interessa para nada. Os conhecimentos é que são importantes. Isto é um país de amigos onde, curiosamente, todos são meus inimigos. Ninguém se digna a perder tempo a ler o que ponho no mundo com toda esta sabedoria que me caracteriza. A sociedade é feita de dinheiro. A carne dela são cotações, cheques, cartões de crédito. Vende-se o que dá dinheiro. O que importa não importa. É o fim dos tempos, o homem volta a ser um macaco. Volta a olhar o porco, cara a cara, e a sentir que se olha ao espelho. É isso o homem. Uma espécie de suíno que, momentaneamente, esqueceu a sua condição orwelliana. Somos todos uns porcos que chafurdam na banca e na economia. A vida não passa de um gráfico de barras, umas estatísticas, probabilidades, projecções. E neste mundo somos todos escravos de notas de todas as línguas. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

 

cheio de palavras

sente que o professor é cheio de palavras, é fraco e não sabe fazer o destino dobrar-se à sua passagem (...) mas o destino exige sangue. Ele não é capaz de se sacrificar pelo que ama. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)