Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

19
Abr22

straight ahead

Cecília

Dizem que devemos enfrentar a tempestade acreditando que o Sol brilha do outro lado;

 

Virginia Woolf – As Ondas (1931)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

Modern Abstract hand-pain Portrait Oil Painting on Canvas:Break Heart.

 

 

08
Abr22

M.S.

Cecília

Constitui um enorme alívio ter alguém a quem fazer sinais e não pronunciar qualquer palavra. 

 

Virginia Woolf – As Ondas (1931)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

https://www.deviantart.com/enchanting-ce-memory/art/Falling-in-love-129461817

 

21
Mar22

primavera d'alma

Cecília

O rio Douro não teve cantores. Teve-os o Mondego e o Tejo também [...] O rio Douro ficou banido da lírica portuguesa com a sua catadura feroz pouco própria para animar os gorjeios dos bernardins, que são sempre lamurientos e que à beira de água lavam os pés e os pecados. E, no entanto, trata-se de um rio majestoso como não há outro.

 

Agustina Bessa-Luís – Fanny Owen (1979)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

15
Mar22

barbas de molho

Cecília

Constatei o facto até mesmo em plena angústia, quando, torcendo o lenço entre as mãos, a Susan gritou: "Amo, odeio". Pensei: " Há uma criatura inútil a rir no sótão", e este pequeno exemplo serve para mostrar o modo incompleto como mergulhamos nas nossas próprias experiências.

 

Virginia Woolf – As Ondas (1931)

Colecção Mil Folhas / Bibliotex SL / M.E.D.I.A.S.A.T. e Promoway Portugal Ltda (2002)

 

 

March 15 marks 11 years since the eruption of peaceful protests against the Assad regime in Syria.

The pro-democracy demonstrations demanding change were violently suppressed, leading to a civil war that has cost the lives of hundreds of thousands and torn the country to shreds.

More than a decade later, a brighter future is still far on the horizon for the Syrian people.

in https://www.youtube.com/c/trtworld/community

 

 

21
Fev22

vergonhas [não tão] alheias I

Cecília

Uma pesquisa ilustra bem a resistência dos estereótipos à evidência e, das diferentes situações que envolvia, salientamos duas: uns participantes eram confrontados com fotografias de um grupo de pessoas negras, bem vestidas, descritas num pequeno texto como tendo obtido sucesso na vida; outros participantes eram confrontados com fotografias das mesmas pessoas negras, mas agora vestidas de forma simples e descritas como tendo fracassado na vida. Era pedido aos participantes que avaliassem a cor dos membros de cada um dos grupos, num contínuo de mais negro a mais branco. Os resultados foram claros: as pessoas que apareciam bem vestidas nas fotografias e no cenário de sucesso foram percebidas como mais brancas do que as vestidas de forma simples. Das diferenças de sucesso os participantes inferiram diferenças de cor. Ao que parece, quando a realidade não confirma o estereótipo, mudamos a (perceção da) realidade para manter o estereótipo. 

 

Jorge Vala  – Racismo, Hoje, Portugal em Contexto Europeu (2021)

Fundação Francisco Manuel dos Santos, Jorge Vala (2021)

 

 

05
Fev22

subliminarmente mergulhados

Cecília

Em Portugal, como noutros países, as pessoas negras são consistentemente associadas a violência e isso tem consequências vitais para elas. Muitos leitores lembrarão o caso de Amadou Diallo, um imigrante guineense negro que foi abordado pela polícia de Nova Iorque em fevereiro de 1999 e recebeu instruções para não se mexer. Porém, Diallo levou a mão ao bolso para tirar a carteira com a identificação. Esse gesto foi confundido com o sacar de uma arma. Foi morto com cerca de 40 tiros. Vejamos a este propósito uma linha de pesquisa experimental replicada em vários países, incluindo Portugal, com a participação de estudantes universitários brancos.

Nesta linha de pesquisa, é pedido aos participantes que identifiquem um objeto (uma arma ou uma ferramenta) que é apresentado no ecrã do computador por um brevíssimo espaço de tempo. As respostas são registadas como certas ou erradas. Acontece que antes de o objeto (arma ou ferramenta) ser apresentado no ecrã é colocado no mesmo ecrã ora a foto de uma pessoa negra ora a de uma pessoa branca. Isto é feito de forma tão rápida que os participantes não se dão conta da foto - uma exposição subliminar. O que se verifica é que os participantes brancos confundem mais vezes uma ferramenta com uma arma quando subliminarmente são expostos à foto de um negro. De forma inversa, quando uma arma aparecia na sequência de uma foto de um branco era mais vezes confundida com uma ferramenta. Se com os resultados desta experiência refletirmos sobre o assassinato de Amadou Diallo, apreenderemos melhor o potencial de violência inscrito nos estereótipos.

 

Jorge Vala – Racismo, Hoje, Portugal em Contexto Europeu (2021)

Fundação Francisco Manuel dos Santos, Jorge Vala (2021)

 

 

07
Jan22

appetite

Cecília

palavras com sede como a água

 

António Ramos Rosa in PARA ALÉM DAS PALAVRAS COM AS PALAVRAS - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

in https://desporto.sapo.pt/motores/artigos/acidentes-camelos-favoritos-a-sofrer-e-gente-a-voar-eis-as-melhores-imagens-do-sexto-dia-do-dakar-2022

22
Nov21

dia de Santa Cecília

Cecília

Stefano Moderno, "Saint Cecilia," 1599, church of St. Cecilia, Trastevere, Rome

In the sculpture, St. Cecilia extends three fingers with her right hand and one with her left, testifying to the Trinity. The sculptor attested that this was how the saint's body looked when her tomb was opened in 1599.

Photographed at the church of St. Cecilia, Trastevere, by Richard Stracke. 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cec%C3%ADlia_de_Roma#/media/Ficheiro:CeciliaMaderno.jpg

Faz sentido que Cecília seja a padroeira da música?
Em dia de Santa Cecília, padroeira da Música e dos músicos, voltemos o nosso olhar para aqueles e aquelas que dão a totalidade do que são a uma arte que, não só lhes exige toda a sua inteireza, como a pujança da sua vitalidade [...]

Parece-me, na verdade, que o nosso tempo, em muito marcado pela desconfiança e pela superficialidade, anseia por Verdade e coerência, e essas só são possíveis por via do testemunho sincero, do testemunho que robustece a mensagem com a vitalidade do mensageiro. E se isto assim é para tantas dimensões da nossa existência, é-o tanto mais para a cultura e, portanto, para os artistas. Quem são aqueles que nos marcam quando os escutamos? Quais são as vozes que nos ficam, que nos comovem, que nos abanam ou reconfortam? Estou convencido de que são as que estão carregadas da vida do cantor [...] vozes que, confessando as suas próprias convicções, se tornam proféticas no seu olhar sobre a realidade que os rodeia, apontando caminhos e esperando o melhor que virá. Este, a meu ver, é um dos papéis fundamentais de um músico, qualquer que seja o seu estilo, nos dias de hoje: o testemunho das suas próprias convicções, a profundidade naquilo que executa e transmite, o compromisso com o mundo que o rodeia [...]

Nos nossos dias, um músico sabe, à partida, que por amor à arte a que se sente chamado, virá a sofrer privações, a ter de tomar opções que, doutro modo, não seriam as suas. Por isso, a vocação de um músico tem também muito de sacrifício, isto é, de martírio, de entrega e até mesmo de possível sofrimento, além daquele que o próprio acto de criar lhe exige. Mas esse “martírio”, por outro lado, é também ele o que confirma o verdadeiro artista, em certo modo, à semelhança do ouro que é purificado pelo fogo: é prova e teste às suas convicções, que as robustece e fortalece a sua entrega àquilo a que se sente chamado.

Testemunho e martírio: duas características essenciais num músico dos nossos dias, que, provando a genuinidade da sua vocação artística, lhe conferem a solidez necessária para que a sua arte seja sinal profético, interpelador e profundo. Afinal, talvez faça mesmo sentido que Cecília seja a padroeira da Música…

in https://pontosj.pt/opiniao/faz-sentido-que-cecilia-seja-a-padroeira-da-musica/

 

02
Nov21

homens

Cecília

She could not stop thinking how stupid that baby shower had been. All women. Why only women at a baby shower? Did men have nothing to do with this business of babies? Olive thought she didn't like women.

She liked men.

She had always liked men.

 

Elizabeth Strout – Olive, Again (2019)
Penguin Random House UK (2019)

 

FOTO: AMEER AL-HALBI/AFP

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub