Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

asfixia devagar

TUDO O QUE NÃO É LITERATURA ABORRECE-ME - 

quixava-se um checo muito conhecido. 

As nossas vidas, aliás, deviam acontecer sempre no futuro,

onde, no fundo, sucedem todos os romances.

O nosso estilo teria a nitidez dos tratados científicos

e a força da descrição de uma batalha -

embora os críticos tentassem

transformar tudo isto num relatório criminal

ou no argumento para um filme de Domingo à tarde.

O Eduardo Prado Coelho era capaz de fazer isso. 

 

Mas é preciso fugir ao máximo dos museus de cera, 

perseguir os funcionários públicos do senso comum,

evitar que as mulheres feias tenham filhos. 

Aliás, é urgente matar toda a gente que tem fome.

Por isso, não me venhas com xaropes e bancos alimentares.

Não me trates as doenças.

Não levantes a mão.

Vem, vem apenas,

como as you are

- embora seja tarde. 

 

Vem para esta sala de baile com portas cheias de musgo

e vozes molhadas em tabaco.

Vem passar uma noite nos seus cantos húmidos

onde coronéis e generais

levantavam as saias à história.

 

Já tirámos os cavalos,

já limpámos as trincheiras. 

 

Vem ralar na minha pele arrepiada

a cor pálida da lua

como se fosse a casca de um limão. 

 

Vem sem falta - 

o palco está vazio,

a sala cheia. 

Com o passo lento das derrotas,

um macaco vestido de Shakespeare

conduzir-te-á até ao último acto. 

 

Golgona Anghel 

 

 

Golgona Anghel in Como Uma Flor de Plástico Na Montra De Um Talho (2013)

Assírio & Alvim (2017)

 

 

 

vivam e sejam

Vivam, apenas.

 

Sejam bons como o sol.

Livres como o vento.

Naturais como as flores.

 

Imitem as árvores dos caminhos

que dão flores e frutos

sem complicações.

 

Mas não queiram convencer os cardos

a transformar os espinhos

em rosas e canções.

 

E principalmente não pensem na Morte. 

Não sofram por causa dos cadáveres

que só são belos

quando se desenham na terra em flores.

 

Vivam, apenas.

A Morte é para os mortos! 

 

 

José Gomes Ferreira in Comício

 

 

 

José Gomes Ferreira – Poeta Militante I

Círculo de Leitores (2003)

 

 

não segurar o orgulho

Contei o meu desgosto a Delacroix, pois de que mais poderia falar, senão disso? E ele deu-me um bom conselho: deixar de ter coragem. «Deixai-vos ir», disse-me. «Quando eu próprio me sinto assim, não me deixo tomar pelo orgulho; não nasci Romano. Entrego-me ao meu desespero. Consome-me, debilita-me, mata-me. Quando se farta, aborrece-se e deixa-me em paz.» 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

intervalo de conflito

Chega-se a um ponto na vida intelectual em que se aprende enfim a distinguir o verdadeiro do falso, o possível do impossível, a ilusão da realidade. Contudo, entre essa época de iluminação e de discernimento, e a época da razão e da força, quando impiedosamente se subtrai à vida tudo o que seja sedutor e nocivo, dá-se um intervalo de conflito entre o saber e o poder; trata-se do período mais difícil e perigoso da existência humana. A experiência conduz ao conhecimento. A vontade conduz ao desprendimento. 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

 

aproveita o vento

Serão processados os aborrecidos;

ostracizados os coitados;

perseguidos os crentes;

fuzilados os fracos;

odiados os feios;

perdidas as esperanças.

 

Por ordem do autor. Contra a vontade de São Epifânio. 

 

 

Golgona Anghel in Como Uma Flor de Plástico Na Montra De Um Talho (2013)

Assírio & Alvim (2017)

 

 

 

 

 

 

comprar-se / vender-se

OLHE, PRECISO DE DINHEIRO

Preciso de muito dinheiro. Quero abrir um negócio.

Algo meu, sabe como é. Estou farto de patrões.

Não posso passar a minha vida atrás de um balcão.

A levar todas as noites com a baba dos perdidos nas trombas. 

Já não tenho paciência.

Com esta idade, já viu o que é.

Sujeitar-se a todos os labregos.

Já tentei noutros bancos, sim.

Pedi também aos meus pais, é verdade;

disse-lhes que era para me casar.

Não, não tenho casa, nem automóvel. 

Mas, olhe, posso garantir com o meu corpo. 

O meu fígado, senhor, tem que ver o meu fígado. 

É fígado de motard. Isto parece encolhido e tal,

mas anda a mil.

E adiantado, não pode pagar nada como entrada? 

Entrada, não sei. 

Só se for o coração. 

 

 

Golgona Anghel 

 

 

Golgona Anghel in Como Uma Flor de Plástico Na Montra De Um Talho (2013)

Assírio & Alvim (2017)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D