Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

ter memória

08.07.21

Um dia, em junho desse ano, estava eu no Parlamento Europeu, quando me pus a matutar que um dos deputados europeus tinha sido salvo em 1940 com um visto assinado pelo meu avô. Pensei que talvez fosse simpático da minha parte cumprimentá-lo, e dar-lhe notícias. Peguei na lista do Parlamento Europeu e procurei o nome dele. E, de facto, lá estava ele, com a fotografia: Otto von Habsburg, arquiduque e herdeiro do antigo império austro-húngaro.

Liguei-lhe imediatamente, não sabendo muito bem o que iria dizer, mas fi-lo. Do outro lado respondeu-me uma senhora a quem eu apenas disse que desejava falar com sua excelência. No minuto seguinte, Otto von Habsburg responde-me. Fiquei ligeiramente atrapalhado, não esperava tanta rapidez, e disse-lhe (em francês): «Desculpe incomodá-lo, sou neto de um cônsul português que V. Exa. conheceu há muitos anos...»

«Ah, o seu avô foi um homem ex-tra-or-di-nai-re!!!», respondeu ele. Fiquei sem palavras, parecia-me difícil que ele se lembrasse assim sem mais nem menos, e insisti: «Foi em 1940, em Bordéus. Há 46 anos, durante a guerra.»

«Sim, lembro-me muito bem, Aristides de Sousa Mendes», disse o eurodeputado, sem nenhuma hesitação. 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

https://www.bportugal.pt/comunicado/moeda-de-colecao-aristides-de-sousa-mendes-entra-em-circulacao-15-de-julho

 

compaixão €€€€€€€xpr€€€€€€€ssssss

06.07.21

O tempo passava, e Aristides não perdia a esperança de que melhores dias viessem, apesar do seu estado de saúde deteriorado, pelo derrame cerebral e pela situação absurda em que se encontrava. Houve quem lhe sugerisse que se dirigisse a um influente amigo de Salazar - António Cerejeira, o cardeal-patriarca. Sempre otimista, o meu avô assim fez. Finalmente, obteve uma resposta: «Que se dirigisse a Fátima e aí rezasse pela intercessão de Nossa Senhora.»

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

 

 

deixem passar

16.06.21

Várias pessoas com quem contactei (algumas já falecidas), falaram-me desses momentos, inesquecíveis para quem os viveu. Como Henri Zvi Deutsch, jovem adolescente na altura, que me contou que os pais, fugidos da Alemanha, nem papéis tinham - com eles apenas traziam fé e esperança. Zvi Deutsch mencionou-me o tipo de vistos que vários autores consideram como únicos na história da diplomacia mundial e que o cônsul de Bordéus terá produzido às centenas. Tratava-se de um simples pedaço de papel onde Aristides (ou talvez um dos seus filhos) escrevia o seguinte texto: «O governo português pede às autoridades francesas e espanholas que deixem passar o portador, ou portadores, deste visto de trânsito temporário. Trata-se de um refugiado, ou refugiados, do conflito armado a decorrer na Europa, a caminho de Portugal.» 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

 

fazer acontecer e esperar (ou como surgem os milagres)

09.06.21

Perguntei-lhe se se lembrava da chegada deles (pais e irmãs) a Bordéus. Como resposta, este rabino Kruger (filho) abriu uma pequena pasta que continha uma série de documentos e mostrou-me um bilhete de comboio, de cartão como era costume naquela altura, e disse-me que aquele era o bilhete de comboio (meio-bilhete de 2ª classe) Paris/Bordéus que o pai lhe deu naquele dia quando todos viajaram para Bordéus... à espera de um milagre. 

 

António Moncada S. Mendes – Aristides de Sousa Mendes, Memórias de Um Neto
Edições Saída de Emergência e António Moncada S. Mendes  (2017)

 

NJMJLn89E5bo_02k0FKpolXmaKU@500x330.jpg

Homeward Bound

David Tutwiler

 

força suficiente

21.05.21

E apesar de Bukowski ter vindo para os Estados Unidos com dois anos de idade, poderá certamente haver uma herança genética, física e espiritual. Bukowski não pode ser considerado um reaccionário, mas existem traços da disciplina e da resiliência germânica na sua personalidade, que lhe permitiram adaptar-se e sobreviver durante tanto tempo em condições frequentemente adversas, depressivas e humilhantes, prosseguindo a sua viagem ao fim da noite. Amante de Beethoven, Sibelius e Bruckner, no final da vida tornou-se um apreciador de vinhos e de cervejas alemãs. Apesar dos conflitos com os seus pais «prussianos», ele tinha consciência do seu próprio potencial de crueldade e tentava arduamente controlá-lo... E acabou por ser um pai muito diferente e carinhoso para a sua filha, garantindo-lhe uma vida diferente da sua. De alguma forma, teve força suficiente para sobreviver às dificuldades da sua infância e, na idade adulta, ao trabalho físico, às lutas nos bares, às mulheres de vida fácil, às bebedeiras, aos hábitos autodestrutivos e aos confrontos com a polícia, tal como Barbet Schroeder mostrou no seu clássico filme de culto Barfly. 

 

Charles Bukowski – Correios (1971)

Antígona (2015)

 

 

adorei as almas!

13.05.21

 

O último símbolo que quero destacar é o rosário ou as contas. [...] O rosário cristão se confunde com as contas do “Òpelè-Ifá” ou “Rosário de Ifá”, que é um instrumento divinatório dos tradicionais sacerdotes de Ifá (Ifá é o porta-voz de Orumilá e de outros Orixás). Vale lembrar que o culto dos negros a Nossa Senhora do Rosário, se deve também ao paralelismo estabelecido entre o rosário desta Nossa Senhora e o Rosário de Ifá, obviamente já conhecido por muitos negros. Por isso, sempre insisto que o culto dos negros a
Nossa Senhora do Rosário é ao mesmo tempo adaptação e resistência [...]

E termino com a saudação aos pretos velhos proferida na maioria dos terreiros de
Umbanda [...] e que demostra a multiplicidade do culto e suas referências: “Salve Jesus
Cristo e Nossa Senhora... Salve os Orixás... Saravá o Preto Velho... Adorei as almas”.

 

in http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364730161_ARQUIVO_Adoreiasalmas-XXVIISNH-textocompleto.pdf

 

 

busca(r)

31.03.21

 

essa paixão árida que não canta 

mas vibra seca no papel incerta 

 

Quem detém os olhos? Quem vê o curso

do vento nas palavras?

E as flechas que por vezes se desfazem?

 [...]

 

Tudo o que o poema faz desfaz

 

Mas sustenta a ferida 

nas margens mais distantes 

da distância 

na insensata esperança

no abismo 

 

Tu beijas aqui a dança e o desastre 

 

 

António Ramos Rosa in  O INCERTO EXACTO  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

encontro

11.03.21

ela quem? - ela, o esplendor do encontro 

[...]

sem a mão do afago e tudo em vão

no vão de tudo ser o encontro aquém do encontro

 

António Ramos Rosa in  O INCÊNDIO DOS ASPECTOS  - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)