Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

gatafunhos


Cecília

21
Jul18

Aos egípcios todos os locais serviam para escrever (20) o que bem nos elucida sobre a sua falta de civismo e inferior índice educativo, bem como do seu atraso em relação a certas populações civilizadas que, em regra, só escrevem nas paredes das retretes e mictórios, embora, diga-se de passagem, revelando grande elegância de carácter, correcção de forma e exacta interpretação do pensamento. 

Com efeito, os felás enchiam de gatafunhos as paredes das colunas dos templos, as pirâmides, os túmulos, os célebres papiros e até as próprias múmias. 

 

(20) Esta mania de escrever em toda a parte foi, felizmente, combatida pelos sucessivos colonizadores do Egipto, com especial relevo para os franceses e ingleses que reduziram novamente o povo à analfabetização integral. 

 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

(re)tornar


Cecília

02
Nov17

El exceso de escritura puede volver infantiles a las personas. 

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

 

 

 

sagrado


Cecília

03
Abr17

Uma vez - contam os biógrafos do Profeta - ao ditar ao escrita Abdullah, Maomé deixou uma frase a meio. O escriba, instintivamente, sugeriu-lhe a conclusão. Distraído o Profeta aceitou como palavra divina o que dissera Abdullah. Este facto escandalizou o escriba, que abandonou o Profeta e perdeu a fé.

Estava errado. A organização da frase, em última análise, era da responsabilidade dele; era ele que devia ajustar contas com a coerência interna da língua escrita, com a gramática e a sintaxe, para captar a fluidez de um pensamento que se expande para fora de todas as línguas antes de se tornar palavra, e de uma palavra particularmente fluida como é de um Profeta. A colaboração do escriba era necessária a Alá, desde que decidira exprimir-se num texto escrito. Maomé sabia-o e dava ao escriba o privilégio de concluir as frases; mas Abdullah não tinha consciência dos poderes de que estava investido. Perdeu a fé em Alá porque lhe faltava a fé na escrita, e em si próprio como operador da escrita. 

 

 

Italo Calvino – Se Numa Noite de Inverno Um Viajante (1979)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)