Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

António chegou a Amesterdão em 1974, numa altura em que a cidade estava na vanguarda de um sem número de movimentos, desde a ecologia à luta anti-apartheid, passando pela liberalização das drogas ditas leves, que eram ali encarados com o mesmo pragmatismo com que, em muitos outros países, se aceitam e até estimulam outros vícios como o jogo. Havia para todos os gostos. Grupos anarquistas, ecologistas, pacifistas, os krakers, com as suas redes de okupas, que pressionavam o governo, (...)
01 Out, 2019

fala-se

No princípio de janeiro de 1956, vivia-se um dos invernos mais rigorosos de que há memória e quando António Joaquim Rodrigues Ribeiro chegou a Lisboa, a cidade estava debaixo de um temporal. A vaga de frio que submergia toda a Europa, chegara a Portugal com o seu cortejo de aguaceiros, temporais, trovoadas e cheias e enxurradas violentas que fustigaram campos, aldeias, vilas e cidades. As inundações catastróficas, no Porto e em Lisboa, ilustram bem o ímpeto das tempestades, que (...)
27 Ago, 2019

sistema fixo

(...) peixe voador fodido estrebuchando. Vago. Eco único irredimível. Sob as folhas murchas dos aerop DESPACHEM-SE hortos                                                                                               [consum idos em moralizar um sistema corrupto. Fixo.     Paulo da Costa Domingos in ARA     Paulo da Costa Domingos – Carmina (1971-1994) Antígona (1995)      
02 Ago, 2019

ecos

Ao contrário de todo mundo, que fica se ressentindo 'porque ela me deixou, não sabe o que perdeu', eu não tenho medo de dizer: eu é que fui covarde e babaca.   Cazuza     Y ahora intenta decir que me amas Sin miedo a que parezca mentira otra vez Y no lo ves Digo yo que algo tendremos que hacer Borra de golpe Su nombre en mi nombre Y así lo olvidaré Y mira bien Mientras yo te reproche de más Y tu te escondas con la duda otra vez No quiero mas pulsos Hay tanto que perder Haz (...)