Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

labirinto aberto

18.05.21

O longínquo respira num corpo

de penumbra.

No alento se abre

o labirinto. 

 

António Ramos Rosa in MEDIADORA DO INICIAL CONSTANTE - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

que um olhar bastasse

18.05.21

A opressão é permanente

as relações indiscerníveis.

 

 

António Ramos Rosa in MEDIADORA DO NÃO LUGAR - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

Primeiro foram as mãos que me disseram
que ali havia gente de verdade
depois fugi-te pelo corpo acima
medi-te na boca a intensidade
senti que ali dentro havia um tigre
naquele repouso havia movimento
olhei-te e no sol havia pedras
parámos ambos como se parasse o tempo
parámos ambos como se parasse o tempo

é tão dificil encontrar pessoas assim bonitas
é tão dificil encontrar pessoas assim bonitas

atrevi-me a mergulhar nos teus cabelos
respirando o espanto que me deras
ali havia força havia fogo
havia a memória que aprenderas
senti no corpo todo um arrepio
senti nas veias um fogo esquecido
percebemos num minuto a vida toda
sem nada te dizer ficaste ali comigo
sem nada te dizer ficaste ali comigo

é tão dificil encontrar pessoas assim bonitas
é tão dificil encontrar pessoas assim bonitas

falavas de projectos e futuro
de coisas banais frivolidades
mas quando me sorriste parou tudo
problemas do mundo enormidades
senti que um rio parava e o nevoeiro
vestia nos teus dedos capa e espada
queria tanto que um olhar bastasse
e não fosse no fundo preciso
queria tanto que um olhar bastasse
e não fosse preciso dizer nada

é tão dificil encontrar pessoas assim bonitas
é tão dificil encontrar pessoas assim pessoas

 

corpo luz

06.05.21

- O António era lindíssimo, corpo musculado, barbas, e muito masculino. A imaginação dele! As botas, a roupa, os acessórios, alças, correias, correntes, anéis, os extraordinários casacos, as camisas, os tecidos estampados com plantas, nada dizia com nada, mas depois tudo ligava. Ele assumia a mistura de uma maneira particularíssima. Podia ser kitsch, mas era propositadamente, sem sombra de mau gosto. Tinha uma grande elegância, nem sequer era alto, mas sobressaía no meio das pessoas. Tinha luz. Tinha qualquer coisa. Mesmo em Nova Iorque ou em Amesterdão, seria um personagem avançado. Sem sombra de dúvida. 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)
Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

A2.jpg

 

ego sum luto

05.05.21

 

Estrela, sim, estrela de argila

em núpcias consigo e com o mundo. 

 

António Ramos Rosa in MEDIADORA DO CORPO - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

 

pés para cima

15.04.21

 

Também davam longos passeios à beira-mar, que António tanto apreciava, e costumavam ir para o 2001, em Cascais, onde ficavam a dançar toda a noite:

- O António não se drogava, não fumava e não bebia bebidas alcoólicas. Eu também não. Quer dizer, bebia, mas nada de exageros.  Mas toda a gente pensava que sim, porque passávamos a noite aos pulos.

Um outro amigo da época, o Paulo, mais tarde ligado ao cinema, lembra-se de o ver na Fonte da Telha, à Caparica, imóvel no areal deserto a fazer ioga. «Punha-se de cabeça para baixo, pés e pernas para cima, apoiado nos braços, em frente ao mar, a meditar.»

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)

Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

 

while

05.04.21

inacessível corpo em outro corpo vivo 

As pernas são o grito

no rosto  no vento  A língua 

contra a língua

ou antes as duas línguas que a destroem 

 

Vertigem dos limites 

contra a vertigem 

[...]

Ancas intermináveis  Flancos 

que trucidam quando oscilam 

 

António Ramos Rosa in  FRAGMENTOS: FIGURA - Obra Poética I

Assírio & Alvim (2018)

 

ginásio da despreocupação

08.01.21

Eu detestava aquele tipo de agitação, o género de sexo à Los Angeles, Hollywood, Bel Air, Malibu e Laguna Beach. Estranhos quando nos encontrávamos, estranhos quando partíamos - um ginásio de corpos anónimos a masturbarem-se mutuamente. As pessoas sem moral consideravam-se muitas vezes livres, mas sobretudo eram incapazes do mínimo sentimento ou de amor. Por isso eram despreocupadas. Os mortos a foderem os mortos. Não havia nem risos nem humor nos seus jogos - era um cadáver a foder outro cadáver. 

 

Charles Bukowski – Mulheres (1978)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2003)