Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

09 Dez, 2019

modernidade

Voltando a citar Pinker: «A aversão à modernidade é uma das grandes constantes da crítica social contemporânea. Quer seja a nostalgia pela intimidade das cidades pequenas, pela sustentabilidade  ecológica, pela solidariedade comunitária, pelos valores familiares, pela fé religiosa, pelo comunismo primitivo ou pela harmonia com os ritmos naturais, todos querem que o relógio retroceda. O que a tecnologia nos deu, questionam eles, excepto a alienação, a espoliação, a patologia (...)
gostaria de deixar claro que a nostalgia extremada ou o optimismo cego no progresso, e especialmente num crescimento histérico e infinito, são irracionais e que o uso da temperança e de algum conhecimento factual poderão trazer coisas boas no momento de pesar o que pode ou deve ser preservado do passado, quais as importantes conquistas do presente, e o que é desejável no futuro.    Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019) Fundação (...)
26 Set, 2019

proveitos

Ora a acção é sempre mais proveitosa que a propaganda, excepto para os indivíduos cujo feitio os indica essencialmente como propagandistas - os grandes oradores, capazes de electrizar multidões e arrastá-las atrás de si, ou os grandes escritores, capazes de fascinar e convencer com os seus livros.    Fernando Pessoa - O Banqueiro Anarquista (1922) Antígona (2018)      
01 Set, 2019

faltas

É mais nos dedos que me faltas     Paulo da Costa Domingos in ABSIDE     Paulo da Costa Domingos – Carmina (1971-1994) Antígona (1995)     Toutes les machines ont un cœur, t'entends?  Toutes les machines ont un cœur, dedans  Qui bat, qui bat, qui bat  Comme on se bat maman  Comme on se bat pourtant On n'avait pas prévu ça  D'avoir des doigts Messenger Des pouces ordinateur  Sur les machines on passe des heures  Sur les machines on dessine un cœur  Qui (...)
Te amé sin que yo lo supiera, y busqué tu memoria.  En las casas vacías entré con linterna a robar tu retrato.  Pero yo ya sabía cómo era. De pronto  mientras ibas conmigo te toqué y se detuvo mi vida:  frente a mis ojos estabas, reinándome, y reinas.  Como hoguera en los bosques el fuego es tu reino.   Pablo Neruda - Soneto      
Os correios acabam de abrir e Manuel Moita dirige-se para lá. Tem oitenta e três anos, Alzheimer, e vai aos correios várias vezes por dia para saber se tem correspondência. As pessoas têm paciência e lamentam aquela insistência que nasce da solidão e da doença.      Os guardas sorriem quando o vêem. O cabo buzina enquanto o sargento Oliveira acena para o velho, que se assusta, encostando-se à parede. Então, no meio da confusão da sua cabeça, parece reconhecer aquelas (...)
28 Mai, 2018

a pedra lascada

Neste período, como parece depreender-se do próprio nome, as desinteligências eram resolvidas à pedrada, poupando-se discussões inúteis, propaganda eleitoral e outros vícios da civilização.  Os homens que habitavam a terra nestes tempos remotos não se chamavam Marcelo ou Teotónio. Davam urros, gesticulavam, faziam carantonhas e soltavam gritos gruturais, conseguindo, à custa de processos tão económicos fazer-se entender melhor do que muitos contemporâneos nossos doutorados (...)