Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

em 1989, em 1992, em ...,

Cecília, 04.06.20

Em 1989, o quarteirão enfaixado entre a Avenida de Fernão de Magalhães, a Rua Abraços e a Rua da Póvoa abrigava umas quantas pessoas escondidas em prédios do século XIX. Sobreviviam nas cozinhas, nos quartos, nas salas, onde quer que os prédios dessem calor (...)

Nesse Inverno, os buldózeres executaram a ordem de despejo. Os que lá tinham ficado foram acordados pelos operadores que berravam «Fujam, a máquina é cega!». Deram com as paredes destruídas, as camas esmagadas, as molduras das fotografias partidas, conformaram-se e seguiram pelas ruas, uns de roupão, outros de casaco vestido à pressa. Em três dias ninguém se lembrava deles.

O empreiteiro queria construir em tempo recorde por medo de que a Câmara inventasse novas burocracias (...) Depois chegaram as retroescavadoras, que entregaram pazadas de entulho aos reboques dos camiões. E assim cavaram fundações com quinze metros de profundidade protegidas por taipais com placas que avisavam para o óbvio: perigo (...)

Era evidente que a Fernão de Magalhães não merecia o hipermercado pensado para aquele espaço. Veja-se os prédios em volta. Tudo feio, menos os azulejos antigos e o Vila Galé, a torre mais alta da cidade. Dito isto, cuspiam para o chão, concluíam «A vida é assim, o nosso Porto não aprende» (...)

As gruas ainda levantaram um torreão de cinco andares na fachada que dava para a avenida. E então soube-se. Em 1992, as obras pararam por imbróglio jurídico, excesso burocrático, corrupção ou falta de dinheiro, enfim, um dos cenários a que estamos habituados. 

 

Afonso Reis Cabral – Pão de Açúcar
Publicações Dom Quixote (2018)

 

bu(r)las

Cecília, 11.04.20

Na altura da Páscoa pagava-se a bula para se poder comer carne. Ainda me recordo de uma vizinha , a Sr.ª D.ª Maria Engrácia, que não pagou. A mulherzinha era pobre, mãe solteira, vivia sozinha... e terá comido uma asita de frango. Alguém a denunciou e ela foi excomungada. A carta com o documento da excomunhão vinha com o selo do bispo de Braga. Toda a gente soube, e foi como se a mulher tivesse lepra. 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)
Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

 

23210156.jpg

 

 

as gretas nas resoluções

Cecília, 31.01.20

António chegou a Amesterdão em 1974, numa altura em que a cidade estava na vanguarda de um sem número de movimentos, desde a ecologia à luta anti-apartheid, passando pela liberalização das drogas ditas leves, que eram ali encarados com o mesmo pragmatismo com que, em muitos outros países, se aceitam e até estimulam outros vícios como o jogo. Havia para todos os gostos. Grupos anarquistas, ecologistas, pacifistas, os krakers, com as suas redes de okupas, que pressionavam o governo, por vezes de formas radicais, para a resolução do problema da habitação. 

 

Manuela Gonzaga – António Variações, Entre Braga e Nova Iorque (2018)
Manuela Gonzaga e Bertrand Editora (2018)

 

 

aPBj4Pw_460s.jpg

 

depois dos 35

Cecília, 23.01.20

a partir dos trinta e cinco anos, como garante o meu pai, entre outubro e abril sempre de mantinha nos joelhos e o ouvido já duro, principiamos a cair 

 

António Lobo Antunes – A Última Porta Antes da Noite (2018)

Publicações Dom Quixote (2018)

 

maxresdefault.jpg

 

 

serenidade de quadro

Cecília, 14.01.20

A expressão de Queenie parecia serena, mas era a serenidade dos santos nos quadros, e não era de fiar. 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

603fa82ad75cd4a9f4803e7068d371f3.gif

 

e vivi o que não foi para todos (um natal com paz, família, amor e humor)

Cecília, 30.12.19

 

 

era sensata o suficiente para nunca responder 

 

 

Wray Delaney - Memórias de Uma Cortesã  (2016)

Quinta Essência, Oficina do Livro (2017)

 

 

saber saber

Cecília, 12.11.19

 

Sem cultura, não somos capazes de apreciar certas coisas. 

 

 

Afonso Cruz_ O macaco bêbedo foi à ópera - Da embriaguez à civilização (2019)
Fundação Francisco Manuel dos Santos e Afonso Cruz (2019)

 

 

52744553_2116569538436806_377708778449010688_n.jpg

in https://ribeiraopretoculturaljaf.blogspot.com/2019/02/geracao-mimimi.html

 

 

acertar ponteiros

Cecília, 29.05.19

O abade boceja. E, à porta, tem de gramar explicações sobre a grande precisão do relógio novo. É inglês - esclarece o pároco de São Pedro, esticando o pescoço para o campanário a invocar essa virtude definitiva. Os franceses que não suspeitem, que ainda lhe escangalham a traquitana por ser inimiga - goza o abade, enfastiado. 

 

Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

Caricature_gillray_plumpudding.jpg

 

lx 1808

Cecília, 08.05.19

O INTENDENTE GERAL

DA POLICIA

DO REINO DE PORTUGAL

Considerando o perigo que póde 

seguir-se da multidão de Cães

vagabundos, que girão pelas

ruas de Lisboa no tempo

dos grandes calores;

 

Considerando outrosim nos des-

agradaveis acontecimentos, que

dahi muitas vezes resultão, prin-

cipalmente de noite; e que os

seus ladros, ao mesmo tempo

que perturbão o socego dos Ha-

bitantes, advertem os Roubado-

res do seguimento da justiça,

ORDENA O QUE SE SEGUE:

(...)

VII. As cautélas prescriptas

para fornecer, nos tempos camo-

sos, agua aos Cães, para os pre-

servar da Hydrophobia, são ago-

ra renovadas, e confirmadas de-

baixo das penas existentes contra

os transgressores.

VIII. Os Regulamentos, que

prohibem conduzir Vacas e Ca-

bras pelas Ruas de Lisboa depois

das onze horas do dia, para se

mugirem ás portas das Casas, são 

igualmente renovados com as Mul-

tas, e Penas nelles mencionadas. 

IX. He igualmente prohibido

que se deixem vagar pelas Ruas,

e encruzilhadas Bois, Vacas, e 

Cabras sem Campainha, sob pena

de serem tomadas, e confiscadas

em beneficio dos Hospitaes. Aque-

les, que nestes casos as apanha-

rem, conduzillas-hão imediata-

mente ao Palacio da Intendencia

Geral da Policia do Reino (no

Rocío), onde receberão, se ti-

ver lugar, huma recompensa, ti-

rada do producto da venda. 

(...)

Lisboa, nove de Abril de 1808 

O INTENDENTE GERAL 

da Policia de Lisboa e do Reino de Portugal,

P. LAGARDE.

Dona Beatriz reponta contra a crueldade dos franceses. Dom António admite, sem o dizer, que Lisboa é uma estrumeira. E Henrique considera que os franceses não têm legitimidade para lhes darem ordens nenhumas. Talvez estejam os três cheios de razão. 

 

 

Álvaro Guerra – Razões de Coração (1991)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

e perante o costume dizem nada

Cecília, 31.01.19

Ora isso queria dizer que Palha não só tinha de se meter numa das artérias mais movimentadas da cidade, como teria de estacionar o carro numa zona em que não havia lugares livres a pagar, quanto mais de graça. A cidade tinha sido conquistada por parquímetros e arrumadores. E mais uma vez ninguém tinha dito nada. Até parecia que as pessoas gostavam de ser roubadas por agarrados e agentes da câmara, que se revezavam num ciclo perfeito. 

 

Ricardo Adolfo, Mizé - Antes galdéria do que normal e remediada

Alfaguara (2011)