Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

encarar conforme os bons costumes

 

A versão de que Eva encarou o problema de frente é pelo menos a mais corrente entre os historiadores e a que melhor se conforma com os bons costumes. 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

wine_52569.jpg

créditos imagem:  https://www.toonpool.com/cartoons/wine_5256#img9

arcas e caixas

Como os homens se mostrassem cada vez mais sórdidos, as mulheres mais desavergonhadas, e como aparecessem os primeiros sintomas de deliquência juvenil (É bem conhecido o caso de David, jovem «teddy-boy» que matou à fisga um venerável ancião chamado Golias) pensou-se, com exagerado optimismo, que a solução estava numa grande barrela.

Num longínquo dia de Outubro, à hora do almoço, (havendo o Serviço Meteorológico Nacional previsto tempo seco) abriram-se as celestes comportas e a água veio em tal abundância que os bombeiros registaram o maior número de chamadas de toda a sua história. Esta lavagem à escala universal destinava-se (como os leitores versados em textos sacros já perceberam) a fazer desaparecer da face da Terra a pouca vergonha, a podridão, os vícios e o genococos que então proliferavam à rédea solta. (Esquecia-se que, para lavar tais e tantas poucas vergonhas, a água, (mesmo com Tide) era insuficiente e o problema só podia ser resolvido a Napalm) [...] Só à custa da requintada imaginação dos redactores do Velho Testamento, foi possível conservar a seco, dentro de uma arca, um grande número de pessoas e animais própriamente ditos. Embora certos parágrafos bíblicos nos informem que eles foram escolhidos de entre o melhor comportados da Criação, estamos convencidos de que se tratava, sim, de indivíduos com muitas cunhas pois o ingresso na barcaça salvadora era pelo menos tão difícil como um lugar na Sacor ou na Fundação Gulbenkian. (Muitos leitores irão admirar-se como foi possível caber tanta espécie de animal dentro de uma arca. Lembrem-se, todavia, quantos hoje cabem numa caixa ainda mais pequena - de TV (...) Além disso nessa época o número de bestas era muito menos do que hoje em dia pois ainda não existia a publicidade comercial esse eficaz meio de animalização em massa). 

 

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

chamar pai a outro

Conta-nos David, num dos seus Salmos, que Adão, ao olhar o mundo pela derradeira vez e ao ver que ele se encaminhava sem remédio para a senda das pulhices mais ignominiosas, rejeitou o título de Pai da Humanidade que lhe queriam atribuir, gritando num último esforço a famosa apóstrofe: 

- «Vão chamar pai a outro».

 

 

Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965)
Edição Completa, Integral e Nunca Censurada dos Três Volumes Originais Pré-História / O Egipto / Os Judeus

Herdeiros de José Vilhena / SPA 2015, E-Primatur (2016)

 

 

 

 

 

vida cartoon [1+(x2)]

... como todas as mães: às vezes vestida de supermulher - alegre, corajosa e entusiasmada - ; outras vezes, desconsolada, frustrada e à procura do seu lugar no mundo. 

 

cart2.jpgcart4.jpg

cart4_0001.jpg

cart5.jpg

cart6.jpg

cart7.jpg

cart7_0001.jpgcart8.jpg

 

cart9.jpg

cart10.jpg

 

« todos sabem como a maternidade deve ser... as mães sabem como ela é.» 

 

 Ana Sílvia Agostinho - Mamã cartoon - verdadeira, divertida e apaixonada (2016)

Alma dos livros (fevereiro 2017)

 

 

rugas (I)

 Arrugas

Rugas

 

 

  • ¿ Quieren tomar algo? – preguntó acto seguido Madeleine.
  • Con mucho gusto.
  • ¿ Qué quieren?
  • Lo que haya – contestó Delphine, que ya se había dado cuenta de que más valía no llevarle la contraria. La mujer se fue a la cocina y dejó a los invitados en el salón. La pareja se miró en un silencio apurado. No tardó en volver Madeleine con dos tazas de té al caramelo.

Frédéric se tomó el té por cortesía, aunque lo que más asco le daba en el mundo era el aroma a caramelo.

(…)

  • Muchas gracias por haber sacado tiempo para atendernos.
  • Nada de gracias. ¿ Les ha gustado el té al caramelo?
  • Sí, gracias – contestaron Delphine y Frédéric a dúo.
  • Me alegro, porque me lo regalaron y no me gusta nada. Así que intento darle salida cuando tengo invitados.

Al ver la casa de asombro de los parisinos, Madeleine añadió que lo decía en broma. Según iba envejeciendo, se percataba de que nadie pensaba ya que fuera capaz de tener sentido del humor. Claro, los viejos no pueden por menos de convertirse en unas personas lúgubres que no entienden nada ni son capaces del menor ingenio.  

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D