Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

passar à realidade

Que o fosso da memória se transponha,

que seja a solidão atravessada!

Da cálida crisálida renasça

de novo para o corpo o corpo todo!

 

Venham as roucas sílabas da posse

no búzio dos ouvidos enroladas!

Sobre a teia das veias impalpáveis,

reconstrua-se a cúpula dos olhos!

 

Que tudo, tudo, súbito se emprenhe

da realidade que a lembrança apenas

em folha de álbum, ressequida, guarda!

 

Que eu vá de novo decorar-te a seiva,

como um poema líquido que seja

urgente recitar na eternidade!

 

 

 

 

David Mourão-Ferreira - Voto 

Tempestade De Verão (1954)

 

passado a dois

Quando acordaram de manhã, na mesma cama, ela disse-lhe que queria ter um passado com ele. Não era um futuro, que é uma coisa incerta, mas um passado, que é isso que têm dois velhos depois de passarem uma vida juntos. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

Painter's Honeymoon (1864)

Frederic, Lord Leighton

 

 

o amor não gosta de dúvidas

Amor à primeira vista pode nem sempre ser uma certeza, mas a certeza de amor sempre vem com uma fagulha. Um cruzar de olhos e um estalo que ambos os corações sentem: “Aí está a pessoa certa para mim”. Pode até haver hesitação, mas o amor logo trata de afastar todas as dúvidas. O amor, aliás, não gosta de dúvidas. Ele é certeza, é segurança. É como encontrar um porto depois de muito navegar.

 

 

 

 

distância entre pessoas

Bonita, pensa ele e não nota que, apesar de estar muito próximo dela, ela está muito longe dele. Funciona assim a distância entre as pessoas. De um lado é perto, do outro é longe. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)

 

 

 

 

cheio de palavras

sente que o professor é cheio de palavras, é fraco e não sabe fazer o destino dobrar-se à sua passagem (...) mas o destino exige sangue. Ele não é capaz de se sacrificar pelo que ama. 

 

 

Afonso Cruz - Jesus Cristo Bebia Cerveja (2012)

Penguin Random House (2016)