Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

ensurdecer com vírus

13.03.20

porque se pode murmurar para uma pessoa enquanto se ensurdece outra e tudo vibra, ao mesmo tempo em silêncio e explodindo 

 

António Lobo Antunes – A Última Porta Antes da Noite (2018)

Publicações Dom Quixote (2018)

 

 

 

 

8 comentários

  • Imagem de perfil

    Cecília 14.03.2020

    Não é frieza, é racionalidade. 
    E há que não confundir oportunismo com perceber a guerra instalada e ver a oportunidade. 
    Já que fala em lenços, oportunismo é aquele do João sem medo, típico cagao sonhador, tão ao estilo das populações modernas de hoje em dia. Aquelas que histérica mente acambarcam bens nos supermercados por causa de quarentenas no sofá causadas por vírus que os deixarão assintomaticos na sua grande maioria mas que quando ouvem que lá na África milhares morrem com ebola, encolhem os ombros porque é lá longe... 
    Conheço a realidade de Lagos, na Nigéria. Adoro aquele povo (ou são muito bons ou muito maus) e assim como há milionarios que fazem corar de vergonha qualquer rico europeu(se é que ainda os há) também há quem já esteja a sofrer com falta de bens: empresários a perder dinheiro semanalmente e população sem acesso a bens. 
    Mas deixemos isto para quando daqui a dois meses estivermos pior do que [na crise de] 2011.
    Deixo os contentes e felizes teletrabalhadores a lutar contra esta "crise" sanitária e depois - quando restaurantes, cafés, hotéis, lojas e fábricas derem o berro, e não precisarem de telecomunicações, seguros, viagens de negócios, portais de publicidade, marketing e software - falamos. 
    Óbvio que uma crise já estava na calha e talvez por isso muitos precisem desesperadamente de uma quarentena para por a cabeça no escuro (como a avestruz) ou de uma desculpa para novo falhanço (e a estes falhados gostaria eu de vender lenços de papel) 
  • Imagem de perfil

    Sarin 14.03.2020

    Cecília, ver oportunidades de mercado numa situação destas é oportunismo, sim. Porque não é o teletrabalho ou as oportunidades criadas em quarentena que manterão o país, mas sim o trabalho de rua que dará de comer ao país, que permitirá que cidadãos em clausura continuem a usar saneamento básico e telecomunicações, continuem a ter serviços de saúde e segurança, continuem.
    Oportunidades, neste momento, serão oportunismo porque nenhum dos serviços indispensáveis pode ser prestado sem gente na rua. E não se quer gente na rua.
    E desgraçados dos países onde o surto entra e quem está na rua é quem não tem acesso aos tais serviços básicos.
  • Imagem de perfil

    Cecília 14.03.2020

    Estão certos os que acabaram portanto, porque há que retirar motoristas, chefes de loja e parar fábricas de produtos se higiene e alimentares porque tem que estar tudo em casa... 
    Oportunismo é dizer que são precisas máscaras e vende las a 500% mais caras. Ver e perceber que numa situação destas  há mercados que ficam sem soluções é outra, para mais quando isso significa colocar bens a pessoas que deles necesitam e alavancar uma economia que já estava a definhar. 
    Em situações de crise dediquemos o tempo ao choro e contemplação, porque tudo o resto é Oportunismo. 
    Todos os desgraçados que viveram na pele uma guerra se vissem este triste espetáculo rir se iam de lágrimas de tristeza nos olhos. 
  • Imagem de perfil

    Sarin 14.03.2020

    Cada país responde de acordo com a sua realidade. Não podemos nivelar o "espectáculo", por cenários de guerra que, felizmente, não vivemos - sermos solidários com as vítimas de guerra é importante para evitar as guerras e mitigar os seus efeitos, mas não serve de bitola no combate a pandemias de alta infecciosidade. Antes nos deve dar consciência da responsabilidade para com essas vítimas também neste momento. Essas vítimas, como as vítimas de endemias várias - incluindo a fome.


    A questão das prateleiras de supermercado, das máscaras, do papel higiénico, do preço inflacionado, resume-se numa frase: reflexo da falta de educação cívica. A mãe de muitos males.
  • Imagem de perfil

    Cecília 14.03.2020

    A mesma falta de civismo e solidariedade que nos leva a ter campos de concentração em plena Europa e ninguém se rala... Não é uma guerra nossa (embora alimentada por nós) 
    Tivesse aí, nos campos, o vírus a sua origem...
    Como já partilhei consigo, as pragas revelam muito sobre quem atinge... 
  • Imagem de perfil

    Sarin 14.03.2020

    Plenamente de acordo!
    O que temo é que ps números da pandemia estejam errados por defeito - por defeito no sistema de detecção nos campos de refugiados, em África, em zonas remotas com deficiente apoio sanitário mas onde, ainda assim, chegam viajantes. Há demasiada gente ansiosa para fechar fronteiras, e eu só agradeço o surto italiano, a ter começado, que tenha começado no Norte.
  • Imagem de perfil

    Cecília 14.03.2020

    Eu também acho hilariante um país ser afetado mortalmente na sua zona mais rica, assim como aqui em Portugal, pèse embora eu seja do porto e viva em espinho, tenha surgido numa zona em que o snobismo tenha começado a imperar...
    Este virus poderá assustar nas não derrubaram certamente os africanos, são muito melhores do que nos em muita coisa...
    Esperança, resiliência, são duas delas. 
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.