Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nunca a canção fora tão bela e tão temida, como quando foi servida pelos Príncipes da Palavra. Muitos viviam exilados, ou, se estavam em Portugal, eram presos com frequência. Constituíam uma autêntica plêiade de poetas e baladeiros para quem a canção era uma arma. José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Mário Branco, Ary dos Santos, Sophia de Mello Breyner, Manuel Alegre, Natália Correia e outros. Mas até o rock, por fim emergente, acabaria por entrar também pelos (...)
26 Jun, 2019

passeata

A pessoa, o lugar, o objeto estão expostos e escondidos ao mesmo tempo só a luz, e dois olhos não são bastante para captar o que se oculta no rápido florir de um gesto. É preciso que a lente mágica enriqueça a visão humana e do real de cada coisa um mais seco real extraia para que penetremos fundo no puro enigma das figuras. Fotografia – é o codinome da mais aguda percepção que a nós mesmos nos vai mostrando e da evanescência de tudo, edifica uma penanência, cristal do (...)
25 Jun, 2019

prophecy

Skin head, dead head Everybody gone bad Situation, aggravation Everybody allegation In the suite, on the news Everybody dog food Bang bang, shot dead Everybody's gone mad All I want to say is that They don't really care about us All I want to say is that They don't really care about us Beat me, hate me You can never break me Will me, thrill me You can never kill me Sue me, Sue me Everybody do me Kick me, kick me Don't you black or white me All I want to say is that They don't really care (...)
método de ensino da música criado pelo compositor e pedagogo húngaro Zoltán Kodály (1882-1967), o responsável por todas as crianças húngaras aprenderem música na escola desde o infantário até ao fim do liceu (antes da entrada do país na União Europeia em 2004, as aulas de música eram diárias em mais de uma centena de escolas). E fazem-no ainda hoje através do canto do cancioneiro de música erudita e música tradicional do seu país. Essa que Kodály recolheu com o seu (...)
Pode acontecer que muitos, indivíduos ou povos, julguem, mais ou menos conscientemente, que «todos os estrangeiros são inimigos». Na maioria dos casos esta convicção jaz no fundo dos espíritos como uma infecção latente; manifesta-se apenas em actos esporádicos e desarticulados e não se constitui num sistema de pensamento. Mas quando tal acontece, quando o dogma não enunciado se torna premissa maior de um silogismo, então, no fim da cadeia, encontra-se o Lager. Ele é o produto (...)
Aliás, esta falta de dinheiro (...) continuou a fazer-se sentir durante várias dinastias, andando até o faraó muito ralado por não poder elevar o nível de vida da população, sem fazer baixar o seu e o dos seus amigos. Só na quarta dinastia houve massa para construir as pirâmides (...) tais obras de fachada sempre encheram de admiração e pasmo os camelos que circulam em todos os desertos      Vilhena – História Universal da Pulhice Humana (1960/1961/1965) Edição (...)
Além disso todos somos, hoje em dia, mais do que uma só coisa; por vezes várias e contraditórias. Como se explica por exemplo, à luz do Evolucionismo, a vida múltipla de certos indivíduos que são, ao mesmo tempo, fiscais e contrabandistas, polícias e ladrões, dactilografas e mulheres a dias, mulheres a dias e mulheres a noites?... Como explicar, efectivamente, estes e outros casos, de ainda mais notória acumulação (!), como o de um certo cavalheiro que já vai a caminho dos 44 (...)
Na sua tocante alocução aos noivos, o sacerdote recomendou-lhe que usassem com moderação os gozos do matrimónio, ameaçando-os com os tormentos do inferno e salientando que viemos a este mundo para sofrer e não para fazer dele uma pocilga de prazeres e de vícios. Com isto, ao que supomos, tentava sufocar a inveja que lhe fazia aquele pedaço de noiva e vingar-se um pouco da sua condição de celibatário.      Vilhena – Branca de Neve e os 700 anões (1962) Edição (...)