Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

borregos que escrevem


Cecília

17
Abr18

- Todos os escritores são uns borregos. É por isso que escrevem as coisas. 

- O que é que queres dizer «é por isso que escrevem as coisas»?

- Quero dizer que escrevem as coisas porque não as compreendem. 

 

 

Charles Bukowski in Aranha - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

Caravaggio+-+Michelangelo+Merisi+-+St+Jerome+1607+

 Saint Jerome Writing

Caravaggio

 

 

pobreza panfleto


Cecília

16
Abr18

O Mulloch adorava os marginais, e acho que até adorava a pobreza. A partir das suas cartas, tinha ficado com a ideia de que o H.R. acreditava que a pobreza gerava pureza. Claro que isso é algo em que os ricos sempre quiseram que acreditássemos, mas isso é outra história. 

 

Charles Bukowski in Como Ser Publicado - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

 

 Asamblea de la Hipocresía

Michael Cheval

 

 

seduções


Cecília

16
Abr18

Alguns dos seus versos, se tomados em separado, pareciam ter força, mas quando eram considerados no seu todo, percebia-se que o Victor não estava a dizer nada (...) No entanto, a Vicki (...) como a maior parte das mulheres, facilmente se deixava seduzir por tolos

 

 

Charles Bukowski in Sujo Sofrimento - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

blogar ou não blogar


Cecília

15
Abr18

O diário íntimo de George Sand é um diário íntimo no verdadeiro sentido da palavra (...) com efeito, Sand coloca-o de lado sempre que a vida lhe corre de feição: «A partir do momento em que a vida se torna suportável, já não carece de análise. Arruinaremos um dia de sossego se teimarmos em dissecá-lo ao pormenor»

 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

 

inseguranças indiferentes


Cecília

13
Abr18

Apagaram-se as luzes. Ninguém conseguia dormir, mas todos tentaram. Eu nem me dei a esse trabalho. Eu estava sentado junto à janela e fiquei a olhar para a asa e para as luzes em baixo. Estava tudo organizado em belas linhas rectas. Ninhos de formigas. 

Deslizámos até ao aeroporto internacional de L.A. Ann, amo-te. Espero que o meu carro arranque. Espero que o lava-louça não esteja entupido. Estou contente por não ter fodido com uma groupie. Estou contente por não ser muito bom a meter-me na cama com mulheres estranhas. Estou contente por ser um idiota. Estou contente por não saber nada. Estou contente por não ter sido assassinado. Quando olho para as minhas mãos e vejo que ainda estão agarradas aos meus pulsos, digo a mim próprio: Tenho sorte. 

Desço do avião arrastando o sobretudo do meu pai e a mala dos poemas. A Ann veio ter comigo. Vi a cara dela e pensei, merda, eu amo-a. O que é que vou fazer? O melhor que podia fazer era mostrar-me indiferente e depois seguir com ela para o parque de estacionamento. Nunca devemos deixar que saibam que gostamos delas, senão, matam-nos. 

 

Charles Bukowski in Para Dentro E Para Fora E Por Cima - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

 

cumes intelectuais


Cecília

13
Abr18

Eu não sabia que o génio, preso numa cela ou livre no exterior, caminha sempre sozinho, oprimido, sofredor, ignorado. Eu não sabia que nada de belo ou nobre se junta em torno dos cumes intelectuais e que não existe uma hierarquia moral aceite pelos homens de talento. 

 

George Sand – Diário Íntimo

Antígona (2004)

 

 

 

pessoas em trâns(e)ito


Cecília

12
Abr18

 Depois, quando estava prestes a enfiar-se à frente do velho sedan, o puto que ia ao volante acelerou, aproximou-se, cortou-lhe a passagem e voltou a pôr-se ao lado do outro carro.

Frank voltou a enfiar-se atrás do carro dos putos. Continuavam a conversar e a rir. Viu o autocolante do pára-choques. JESUS AMA-TE. 

Depois reparou num decalque no vidro traseiro. THE WHO.

Bem, tinham Jesus e tinham os The Who. Por que raio é que não o deixavam passar? 

 

 

Charles Bukowski in Mercadoria Danificada - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

 

simpatia


Cecília

12
Abr18

Era Francine. Francine gostava de o impressionar. Francine gostava de pensar que o impressionava. Mas ela era um horror de tédio. Leslie pensava muitas vezes que era simpático da sua parte deixá-la aborrecê-lo como ela o aborrecia. Um tipo normal desligar-lhe-ia o telefone na cara como se fosse uma guilhotina. 

 

 

Charles Bukowski in Noite Fria - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

pessoas aborrecidas


Cecília

11
Abr18

só as pessoas aborrecidas é que se aborrecem. Têm de se estimular continuamente para se sentirem vivas. 

 

Charles Bukowski in A Dança Do Cão Branco - Música para Água Ardente (1983)

Antígona (2015)

 

 

 

mensagens-de-aborrecimento-3.jpg