Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

teorema do porto

Fui sempre fiel ao Porto, a que pertenço e sempre pertenci, que me pertence como uma roupa do corpo que me veste por dentro, como uma pele imemorial em que o tempo conta muito e não conta nada. Como um espelho em que me revejo e identifico e em que me poderei finalmente reconciliar comigo próprio. 

O Porto, para mim, na clareza lapidar e fulgurante da Sophia é a pátria dentro da pátria (...). 

Não conheceu o destino imperial de Lisboa nem o seu culto do aparato e da aparência - aqui dizemos p'ra inglês ver - o Porto nunca teatralizou a sua existência nem se espanta e espaventa com facilidade. 

Povo de gente rija habituada à humidade e à poluição, à poupança, à contenção e a fazer contas à sua moda, à insatisfação e a subir na vida a pulso, aos engarrafamentos, aos bloqueios, às mentiras dos governos, o seu carácter sempre foi a sua virtude através dos tempos difíceis ou dos outros que também nunca lhe foram servidos de bandeja. Cada cidade tem o seu teorema, só que é quase sempre impossível demonstrá-lo. Ou será que as raízes das palavras são quadradas como ironicamente questionava Ionesco? (...)

O carácter do Porto é a sua verticalidade, é a sua frontalidade imbuída de uma rudeza franca e leal.

 

Miguel Veiga 

 in Espírito do Porto - Aguarelas de Vasco d'Orey Bobone
2004 QN - Edições e Conteúdos SA

 

 

 

 

 

10 comentários

Comentar post