Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

condição

Mas dormia apoquentado com a solidão e o crescente tamanho do amor. O amor, na perda, era tentacular. Uma criatura a expandir, gorda, gorda, gorda. Até tudo em volta ser esse amor sem mais correspondência, sem companhia, sem cura. Que humilhante a solidão do amante. O oleiro disse assim: que humilhante o coração que sobra. O amor deixado sozinho é uma condição doente.

 

 

Valter Hugo Mãe – Homens imprudentemente poéticos

Porto Editora (2016)

 

 

 

the world turning in my sheets

com quem me casei ao casar contigo, via-te dormir e pensava

- Quem és?

pensava

- O que faço aqui?

 

 

António Lobo Antunes – Para Aquela Que Está Sentada No Escuro À Minha Espera (2016)
Publicações D. Quixote | Leya (2016)

 

 

 

 

Saw the world turning in my sheets and once again I cannot sleep.
Walk out the door and up the street; look at the stars beneath my feet.
Remember rights that I did wrong, so here I go.
Hello, hello. There is no place I cannot go.
My mind is muddy but my heart is heavy. Does it show?
I lose the track that loses me, so here I go.
And so I sent some men to fight, and one came back at dead of night.
Said he'd seen my enemy. Said he looked just like me,
So I set out to cut myself and here I go.
I'm not calling for a second chance,
I'm screaming at the top of my voice.
Give me reason but don't give me choice.
'Cause I'll just make the same mistake again.
And maybe someday we will meet, and maybe talk and not just speak.
Don't buy the promises 'cause, there are no promises I keep.
And my reflection troubles me, so here I go.
I'm not calling for a second chance,
I'm screaming at the top of my voice.
Give me reason but don't give me choice.
'Cause I'll just make the same mistake,
I'm not calling for a second chance,
I'm screaming at the top of my voice.
Give me reason but don't give me choice.
'Cause I'll just make the same mistake again.
Saw the world turning in my sheets and once again I cannot sleep.
Walk out the door and up the street; look at the stars.
Look at the stars fall down.
And wonder where did I go wrong.

 

 

amor cansado

Una falla que ningún amor cansado puede colmatar.

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

 

dessas

numa súplica insegura que principiava a enervá-lo, perguntas acerca do seu casamento, acerca do filho e das filhas pequenas (...)

quase a chorar a cretina, a humilhar-se, se calhar o mesmo que faz com o marido embora jure que não, garante que o trata por cima da burra e o idiota aceita, o enxota, mal lhe fala porém isso dizem todas e a gente faz que acredita, provavelmente a que lá tenho em casa uma história igual com um sujeito que não me interessa um tuste saber quem é desde que o pai me conserve na empresa

 

 

 

António Lobo Antunes – Para Aquela Que Está Sentada No Escuro À Minha Espera (2016)
Publicações D. Quixote | Leya (2016)

 

 

 

 

turbación

Una forma de verdad pura y, por lo tanto, incontrolable. Sí, siempre había querido un hombre como él. Física e intelectualmente. Hay quien dice que un flechazo consiste en reconocer un sentimiento que ya llevábamos dentro. Desde el primer encuentro, Delphine había notado esa turbación, esa sensación de conocer ya a aquel hombre

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

love-at-first-sight-tony-fowler.jpg

 Love At First Sight

Tony Fowler

 

 

 

musas

No hay edad para empezar a ejercer de musa 

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

armamento e munições

"Tinha duas obrigações a cumprir: a discrição, que devia elevar-se ao nível da invisibilidade, e o número de reparações a efectuar (...). 

O Champ-de-Mars era um terreno de caça excelente. Podiam ali encontrar-se, a qualquer hora do dia ou da noite, casais de apaixonados de todas as nacionalidades. 

Decidi observar antes de agir, registando tudo num bloco-notas. 

Durante a elaboração deste inventário de reparações possíveis, apercebi-me de que os sentimentos exerciam sobre mim uma atracção irresistível, pelo que decidi, com o acordo dos meus superiores hierárquicos, especializar-me na reparação da tristeza. 

Graças a esta escolha, a minha viagem à capital tornou-se uma sorte grande: os problemas amorosos contemporâneos são apaixonantes e, embora isso possa denotar um certo snobismo da minha parte, a verdade é que estava radiante por fazer o meu estágio no centro do problema, na confluência do imaginário colectivo e dos mitos contemporâneos, na capital alegórica do Amor, Paris. 

Era formidável verificar até que ponto os homens e as mulheres comunicavam mal e tinham deixado de se ouvir a si próprios. 

Os casos de tristeza mais frequentes deviam-se a variados estados de solidão profunda e infinita. O medo, a incapacidade de concretizar aquilo que se imagina, de transformar os desejos em faculdades através da força de vontade pareceram-se ser sintomas muito correntes. 

Vigilante e curioso, ia anotando tudo no meu bloco, desde a mais vil das traições à mais banal das frustrações. Nenhum problema de coração deve ser descurado; para se desempenhar funções como as minhas, é importante estar-se consciente de que a infelicidade é relativa. Um arranhão na alma pode ser tão doloroso e perigoso como uma ferida grave. Certos desgostos amorosos podem destruir uma vida e, em contrapartida, alguns verdadeiros dramas podem construir uma existência. 

A verdade é que, à força de tanto observar, elaborei de forma bastante rápida as bases teóricas da técnica que ia adoptar: conseguir alterar a percepção da vida por parte do sujeito sofredor. 

A partir do momento em que vemos a vida de outra maneira, é-nos possível transformar a realidade.

Isto pode parecer simplista, mas funciona sempre, basta que tenhamos coragem.

Infelizmente, os humanos não desenvolveram essa arma (....)."

 

 

Hélène Guétary  – O Homenzinho Azul (1999 by Librairie Arthème Fayard)

Tradução de Fernanda Soares 

 

Printer Portuguesa para Círculo de Leitores (Dezembro,2001)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D