Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

de profundis

  Eram dez da manhã do dia 7 de Maio de 1829 quando os padecentes deixaram a prisão a caminho do cadafalso. O macabro préstito abria com uma força militarizada. Um autor da época escreveu que a cena tinha mais de «auto-de-fé do que do cumprimento de uma sentença saída do tribunal secular...». Os irmãos da Misericórdia seguiam junto à bandeira da irmandade, desfraldada ao vento, e «ao lado da zumba pintada de negro com os símbolos que nos ficaram do paganismo - a ampulheta, a foice e a caveira...», como refere ainda o citado autor.

  Mais ou menos a meio do tétrico cortejo ia içado ao alto o crucifixo, com a figura do crucificado voltada para os condenados.

  Toda a cidade do Porto assistiu na rua, horrorizada, ao desfilar desta verdadeira procissão canibalesca.

  Misturados no meio da tropa, dos irmãos da Misericórdia e dos meirinhos seguiam numerosos padres e frades que interrompiam de tempos a tempos o salmodear monocórdico do latim com estridentes gritos de «miserere...miserere...miserere...».

  O cortejo atravessou o amplo Largo do Olival, o tal que depois se chamaria dos Mártires da Pátria, meteu pela Rua da Natividade, actual Rua dos Clérigos, e entrou na Praça Nova. As forcas eram de construção muito simples (...). « Ao redor dos patíbulos estavam os condenados à morte metidos nas suas alvas com a cabeça descoberta e os pés nus e dois ou três frades confessandos-os e absolvendo-os em nome do céu próximo, dependente de um nó corrido na garganta...» (...) O espectáculo no amplo logradouro da Praça Nova era de arrepiar: a um lado perfilavam-se os meirinhos e escrivães da justiça « de capa e batinas negras, calção, meia e sapato afivelado, como manda a Ordenação»; a outro canto os clérigos, que em coro acompanhavam o rufar surdo dos tambores clamando « de profundis clamav ad te...». Junto aos patíbulos, nos primeiros degraus da escada, os carrascos esperavam. Todo este aparato era guarnecido pela tropa enfileirada que formava um amplo e luzido quadrado. De espaço a espaço um meirinho gritava um nome e o carrasco apoderava-se do condenado. Vinha sempre seguido de um frade que lhe rezava baixo ao ouvido. O carrasco metia-lhe na cabeça o capuz branco que o preso trazia suspenso nas costas, passava-lhe o nó da corda na garganta, suspendia-a a seguir na trave da forca e consumava-se o acto.

  Enforcar um homem demorava meia hora e como naquele primeiro diz eram dez, as cerimónias da Praça Nova acabaram pela uma da tarde.

  Às execuções assistiram divertidos e no meio de grande gáudio os frades lóios e os dos Congregados. Os respectivos conventos davam para a praça (...) Enquanto assistiam aos enforcamentos dos liberais, os frades davam vivas a D. Miguel e à santa religião e brindavam com vinho do Porto.

  Terminadas as execuções, os cadáveres dos enforcados foram decapitados, como se ordenava na atroz sentença. Os corpos foram levados pelos irmãos da Misericórdia para enterrar no adro dos enforcados, que ficava em terrenos onde hoje se situam as traseiras do Hospital de Santo António. As cabeças, espetadas em longas varas, ficaram durante vários dias expostas em frente às casas dos familiares das vítimas, na Foz, na Cordoaria, na Vila da Feira, em Aveiro e Coimbra. Os dois carrascos, o célebre João Branco e um outro que viera de Lisboa, no final das execuções foram displicentemente lavar as mãos tintas de sangue no tanque da Natividade que havia na Praça Nova e que ficava onde está agora a filial do Banco de Portugal  (...) Logo a seguir à entrada no Porto das tropas liberais, em 1832, sob o comando do rei D. Pedro IV, o povo foi à Praça Nova e derrubou as forcas que ainda ali estavam erguidas. Depois correu à Cadeia da Relação, arrombou a porta e abateu a tiro o sanguinário João Branco, carrasco dos liberais. Tudo isto acontecia enquanto os miguelistas fugiam espavoridos da cidade com medo de represálias. Só que os liberais foram muito mais condescendentes do que os miguelistas se haviam mostrado antes (...) Em 18 de Junho de 1878, as ossadas dos doze liberais foram solenemente transladadas para um mausoléu, especialmente construído para o efeito, e que está colocado no cemitério privativo que a Santa Casa da Misericórdia tem no Prado do Repouso.

  Em 1914, a Câmara Municipal do Porto mandou colocar no sopé da estátua de D. Pedro IV, na Praça da Liberdade, placas de bronze com os nomes dos doze mártires, para honrar a sua memória no mesmo local onde padeceram a pena máxima por amor da sua causa.

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

«Se, na nossa cidade, há muito quem troque o b por v, há muito pouco quem troque a liberdade pela servidão»

Almeida Garrett

 

 

sensacionalismos de ontem e curiosidades eternas

Foi no dia 29 de Março de 1852 que se verificou o naufrágio do vapor Porto, à entrada da barra do Douro e à vista de centenas de pessoas que nada puderam fazer para socorrer os náufragos (...) O barco, que levava aos comandos o experiente piloto António Pinto, saíra do rio Douro, na véspera, ou seja a 28 de Março de 1852, que era um domingo, com destino a Lisboa (...).

O Porto era um vapor já cansado, já com alguns anos de uso. Evidenciava a necessidade urgente de alguns reparos, mas era geralmente considerado um navio seguro, e por isso ninguém, naquele dia, se atemorizou com os perigos que pudessem advir da viagem, apesar do mau tempo que se fazia sentir ao longo de toda a costa. Mas ao sair da barra, o barco começou a gingar perigosamente. O já aqui citado cronista, ao descrever a saída da embarcação do rio para o mar, diz que «naquele espaço que medeia entre as águas do Douro e o mar, o Porto começou a oscilar, ora para bombordo, ora para estibordo, enquanto o vento rugia no velame desfraldado em brutais sopros prenunciantes de tempestade, a varrer as primeiras lufadas da Primavera». (...) A viagem durou até alturas da Figueira da Foz. Dando-se conta de que em vez de amainar a tempestade se tornava cada vez mais violenta e ameaçadora, o piloto António Pinto resolveu retroceder para regressar ao ponto de partida. Não conseguiu, porém, entrar na barra e deu-se a tragédia.  

Voltamos a citar o colega que em 1852 fez a reportagem do acontecimento para um dos jornais do Porto: « A escassas dezenas de metros de terra firme, a embarcação empinava-se constantemente, desobediente ao leme (...) a corrente brincava com ela, encavalgava-a nas cordilheiras formidáveis ou mergulhava-a nos aquáticos vales espadanantes em tormentosos balanços rugidores». 

O estilo é, no mínimo, medonho. Mas noutros parágrafos as descrições são aterradoras (...) « o Porto agitava-se cavernosamente e, sob o céu empardecido, as gaivotas fugiam céleres para as bandas da terra, adejando, empurradas pela ventania que detinha a distância as barcaças dos pilotos. As vozes pretendiam dominar os estalos sinistros dos entrechoques das ondas, lançavam-se cabos ao desarvorado vapor, ouviam-se os desesperados gritos dos passageiros, acorridos à tolda, erguendo os braços, pedindo socorro e chorando ao verem os botes dos práticos fazendo-se à terra numa confissão de impotência». (...)  «Mas lá nos seus mistérios de negrume, o Porto acabara quebrado pelo meio. Como uma palha atirada de empuxão em empuxão, batera em lagedos, roçara em línguas de areia, morrera na fúria da porcela».

Na manhã seguinte, ao descerrar do nevoeiro, lobrigavam-se a boiar à tona das águas os restos do vapor. Das cinquenta e duas pessoas que havia a bordo, salvaram-se nove. Os sinos de todas as igrejas do Porto dobraram a finados (...) Entretanto, o mar começava a devolver os cadáveres à terra. Junto ao Castelo do Queijo apareceu a primogénita de José Alen, «descomposta», dizia um jornal; em Carreiros apareceram os corpos de James Elmsley, sobrinhos dos Andersens; o de um clérigo, o padre Bernardo António Pereira Leite de Carvalho; e o do juiz Silveira Pinto. O cadáver de José Plácido Braga, « inchado, ferido de rasgões fundos na carne pelos embates nos penedos», apareceu encravado nas rochas do Cabedelo. A sua mala, com uma moeda de ouro incrustrada no fundo, foi dar às praias de Lavra (...).

Uma curiosidade: em 19 de Julho de 1958, na barra do Douro, foram lançadas à agua as cinzas de um bravo marinheiro. Chamava-se John Cowie e era capitão do barco Seanew que vinha com muita frequência ao rio Douro, onde descarregava automóveis e sal e carregava vinho do Porto e têxteis. Quando morreu fez questão de que as suas cinzas fossem lançadas na barra do Douro, em homenagem ao sítio mais perigoso que conhecera, em toda a sua vida (e foi longa) de marinheiro. 

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

  

 

naufrágio de um barco rabelo

Foi um próspero comerciante e também um lavrador de vistas largas. Não limitou a sua actividade à exportação do vinho do Porto. Cultivou a vinha, plantou olivais e produziu azeite segundo conceitos vanguardistas; foi fabricante de vinagres e dedicou-se ainda ao linho, que aprendeu a «malhar, tascar,espadar e pentear». 

Trabalhava desde o romper do dia até à hora do jantar, que se fazia, naquela época, por volta das seis da tarde. 

Desenhou e ilustrou mapas da região vinhateira; e munido de um lápis ou pincel, recolheu e arquivou aspectos, tipos, usos e costumes da nossa terra e da nossa gente (...) 

Joseph Forrester viveu na sua casa da Ramada Alta, onde recebia as figuras de maior relevo na vida política, económica e social do seu tempo. Por via disso, exerceu uma grande influência na sociedade portuense dessa época. O Governo português distinguiu-o, em 1855, com o título de barão de Forrester, como recompensa pelos relevantes serviços prestados à causa do Douro vinhateiro. Pois este homem da lavoura duriense, este comerciante do vinho do Porto, este artista e fidalgo, impulsionador da economia e da geografia agrária do Douro, este artista de rara sensibilidade e de aguda inteligência, veio a morrer no naufrágio de um barco rabelo, ocorrido na manhã de domingo do dia 12 de Maio de 1861. 

O desastre verificou-se no Cachão da Valeira, curiosamente um dos sítios mais traiçoeiros que havia no Douro e que Forrester estudara minuciosamente. Regressava à Régua de uma visita à Quinta do Vesúvio, de que eram proprietários Francisco José da Silva Torres e sua mulher, D. Antónia Adelaide Ferreira, a célebre Ferreirinha. Viajavam no barco, além do barão e deste casal, a condessa e o conde de Azambuja, respectivamente filha e genro de D. Antónia; o juiz Aragão Mascarenhas e ainda dois criados da Quinta do Vesúvio. O naufrágio ocorreu porque o barco não conseguiu vencer a corrente impetuosa das águas, que haviam engrossado desmesuradamente devido às fortes bátegas que tinham caído nos dias anteriores. Morreram no acidente o barão de Forrester e os dois serviçais da família Torres. Uma versão popular do naufrágio diz que o barão foi rapidamente ao fundo por causa do peso das libras que trazia com ele para a compra de vinho e porque usava umas botas altas, que se encheram de água e lhe tolheram os movimentos, impossibilitando-o de nadar. Outra versão, e esta mais aceitável, diz que quando o rabelo se voltou o barão de Forrester foi atingido na cabeça pelo mastro do barco, tendo, com a pancada, perdido os sentidos, afundando-se. Na esteira da primeira narrativa popular, surge uma outra que atribui o salvamento de D. Antónia Ferreira ao facto de ela usar uma ampla saia rodada que em contacto com a água se abriu e terá servido de bóia, contribuindo para que a Ferreirinha flutuasse facilmente. Mas isto são apenas narrativas lendárias. Uma coisa é certa: o corpo do malogrado negociante de vinho do Porto, não obstante as intensas e exaustivas buscas que se fizeram, nunca mais apareceu. 

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

 

 

 

bulir com imaginações e vontades

Era a primeira aula de «História Local». Eu procurava, como costumo fazer, um tema que despertasse a atenção dos meus alunos e os lançasse numa animada troca de ideias. « Digam-me lá que imagens, que estereótipos, que histórias associamos normalmente à cidade do Porto?»

Algum embaraço inicial foi rapidamente superado: «cidade do trabalho», «cidade da liberdade», «o granito», «a chuva», «o cinzento», «Não! Cinzento não! É o contrário! As casas coloridas!», «a Cidade Invicta», «os tripeiros». Com uma pequena ajuda minha - a pedagogia não directiva tem os seus limites... -, acabámos o quadro: «o bairrismo», «a solidariedade», «o carácter». Já havia muito por onde começar. Tentei pôr alguma ordem no caos: «A chuva e granito são dados objectivos! A chuva mede-se e o granito está lá! A qualificação de "Invicta" tem uma história (...) o professor continuava ali, disciplinando as intervenções objectando para suscitar maior consistência nos argumentos; mas o observador, o «amador» do Porto distanciava-se com alguma incomodidade: quanta banalidade, Deus meu!, o trabalho, o granito, a liberdade... Em que momento do caminho é que o meu Porto ficou prisioneiro de um punhado de lugares-comuns, que, repetidos até à exaustão, perderam qualquer capacidade de bulir com imaginações, quanto mais com vontades? (...) Quanto mais gosto do Porto e melhor o conheço, mais díficil me é escrever sobre ele.

 

 

Luís Miguel Duarte, Prefácio

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

 

 

 

ao porto

Ao Porto

 

Ó meu severo berço de granito!

(Este lembrar-te é um luar do fim?)

Vi os fiordes - não valem o teu rio! 

O melhor da tua força manda em mim. 

 

A tua fala é um gume leal. 

Avulso, o teu saber independente, 

amigo ou inimigo - uma só fé! 

Quando a névoa te cobre - um rosto ausente. 

 

António de Sousa, in Linha de Terra - 1898 

 

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 https://togotravel.com.br/wp-content/uploads/2015/09/togo_portugal-cidade-do-porto-rio-douro-_Sean-Pavone_.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D