Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

saber ler saber escutar

Junto a ese hombre, que sabía escuchar puesto que sabía leer

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

van-gogh-homem-lendo-aquarela-e-carvao-1881-museu-

 

Farmer sitting at the fireside and reading, 1881

 

Vincent van Gogh

 

sofreguidão, lentidão

E é aí que 

O ritmo (que é a nossa melhor parte) exige que recomece 

A ler avidamente. É um momento penoso porque a sofreguidão

Desfaz a leitura; 

 

 

Maria Gabriela Llansol - O Começo de Um Livro É Precioso
Assírio & Alvim (outubro 2003)

 

 

Girl in the Hammock, 1873

 Winslow Homer

(1836-1910)

 

 

-te

magritte-lesamants2.jpg

 René MAGRITTE

Los amantes II (1928)

 

  

«Ler-te 

Mansamente. Amar-te mansamente. Inverter-te a química 

Da intensidade e nela repousar o pensamento que te 

Permite. E, quando assim, lamber-te o fulgor em que 

Me abismo______________________________________.»

 

 

Maria Gabriela Llansol - O Começo de Um Livro É Precioso
Assírio & Alvim (outubro 2003)

 

leitura natural, inocente, primitiva

 

... deitando para trás as páginas dilaceradas pelas análises intelectuais, sonhas recuperar uma condição de leitura natural, inocente, primitiva...

 

 

Italo Calvino – Se Numa Noite de Inverno Um Viajante (1979)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

Amiguinhos lendo (1992)

Jane Tanner 

 

 

ler

- É Ludmilla que assim fala, com convicção e calor. Está sentada diante do professor, vestida de maneira simples e elegante, de cores claras. O seu modo de estar no mundo, cheia de interesse pelo que o mundo pode dar-lhe, afasta o abismo egocêntrico do romance suicida que acaba por se afundar dentro de si mesmo. (...)

O professor está à sua secretária; no cone da luz de um candeeiro de mesa sobressaem as suas mãos suspensas ou levemente pousadas no volume fechado, como numa carícia triste. 

- Ler - diz ele - é sempre isto: há uma coisa que ali está, uma coisa feita de escrita, um objecto sólido, material, que não se pode alterar, e através dessa coisa comparamo-nos com outra coisa qualquer que faz parte do mundo imaterial, invisível, porque é só pensável, imaginável, ou porque existiu e já não existe, passando, perdida, inalcançável, para o país dos mortos...

- ... Ou que não está presente porque ainda não existe, algo de desejado, de temido, possível ou impossível - diz Ludmilla -, ler é ir ao encontro de qualquer coisa que está para ser e que ainda ninguém sabe o que será...  

 

 

Italo Calvino – Se Numa Noite de Inverno Um Viajante (1979)
Coleção Mil Folhas PÚBLICO (2002)

 

 

 

Thoughts

John Henry Henshall

1883

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D