Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

vida cartoon [1+(x2)]

... como todas as mães: às vezes vestida de supermulher - alegre, corajosa e entusiasmada - ; outras vezes, desconsolada, frustrada e à procura do seu lugar no mundo. 

 

cart2.jpgcart4.jpg

cart4_0001.jpg

cart5.jpg

cart6.jpg

cart7.jpg

cart7_0001.jpgcart8.jpg

 

cart9.jpg

cart10.jpg

 

« todos sabem como a maternidade deve ser... as mães sabem como ela é.» 

 

 Ana Sílvia Agostinho - Mamã cartoon - verdadeira, divertida e apaixonada (2016)

Alma dos livros (fevereiro 2017)

 

 

dizem os que sabem muito

Quem tudo quer tudo perde

dizem os que sabem muito

e eu punha-me a chorar

porque eu só queria tudo 

  

José de Almada Negreiros, O Menino D'Olhos De Gigante (Serra de Sintra, outubro de 1921)

 


Poemas Escolhidos José de Almada Negreiros - Assírio & Alvim | Porto Editora 2016

 

 

 Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais

 

 

a ti, que procrastinas

Para a pessoa que está a procrastinar, isso resulta em ansiedade, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com as suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, pode tornar-se um problema quando impede o funcionamento normal do indivíduo no seu dia-a-dia. A procrastinação crónica pode ser um sinal de dificuldades a nível psicológico.

Será que procrastina relativamente às tentativas para mudar os seus comportamentos de procrastinação e simplesmente goza do estatuto social que essa atitude lhe confere?

o primeiro passo para combater a procrastinação é consciencializar-se da mesma, e a partir daí estabeleça objetivos claros e realistas no tempo, identifique as estratégias de evitamento que utiliza, registe o seu progresso (através de tabelas, gráficos), afaste sentimentos de culpa e conheça-se melhor a si próprio, as suas competências e os seus recursos interiores para lidar com as situações mais difíceis e comprometa-se!

in http://oficinadepsicologia.com/procrastinacao/

 

 

O procrastinador é alguém que faz várias coisas ao mesmo tempo, exatamente para não fazer aquilo que realmente deve ser feito. Quando pensa no que de fato tem de fazer, sente-se preso e sem reação.

As consequências não raro são danosas, especialmente a longo prazo, quando, olhando pra trás, se percebe quanto tempo foi jogado fora por falta de ação objetiva.

Ao deixar de cumprir certas obrigações, decepcionamos alguém e perdemos credibilidade e oportunidades. Isso se percebe claramente na vida conjugal, no convívio familiar e na carreira profissional.

Quando vejo pessoas querendo empreender grandes mudanças de imediato, sei que estou diante de um procrastinador, porque ele fica inativo por muito tempo e, depois que percebe nos outros o quanto não evoluiu, resolve mudar tudo de uma vez.

É óbvio que não vai conseguir, porque as nossas grandes realizações são conquistadas aos poucos.

Desse modo, novamente derrotada, essa pessoa tende a desanimar e voltar a procrastinar novamente, repetindo um ciclo fadado à infelicidade.

Enquanto procrastina, a pessoa vai absorvendo estresse por uma oculta sensação de culpa, sentindo a sua perda de produtividade e cultivando vergonha em relação aos demais, por não conseguir cumprir seus compromissos.

A formação de um “enrolador” muitas vezes começa na infância. Crianças podem tornar-se procrastinadoras no futuro por conta do tratamento que recebem dos adultos. Daí a conveniência de revermos constantemente as nossas crenças, para nos livrarmos de influências negativas que adquirimos ao longo da vida.

Duas das vertentes mais clássicas são:

A criança extremamente protegida, condicionada a achar que sempre alguém fará por ela. Quando adulta, ela tenderá, inconscientemente, a sentir-se insegura para agir, por não ter alguém auxiliando-a.

A criança que é exageradamente cobrada. Ela pode desenvolver a característica do perfeccionismo. Assim, ela tende à procrastinação por acreditar que, mesmo se dedicando, não conseguirá realizar as coisas de modo primoroso – e acaba postergando tudo o que acha importante.

Tratamento
A procrastinação crônica é quase sempre associada a alguma disfunção psicológica ou fisiológica. Portanto, é passível de tratamento.

Quando recebo pacientes procrastinadores, incluo no tratamento algumas recomendações que ajudam muito a livrá-los dessa anomalia. Eis algumas:

Reconheça, quando está enrolando, que pode haver mais dor em procrastinar do que em realizar a tarefa. Muita coisa é menos complicada do que parece ser.

Para encorajar-se, pense no que vai deixar de ganhar ou no que pode perder caso não realize essa atividade. Se puder escrevê-las e avaliá-las seriamente, melhor.

Abra-se para o novo, deixando de agarrar-se às velhas experiências e crenças. O passado não volta mais; o presente é continuamente feito de novos desafios e o futuro é construído passo a passo pelas ações do presente.

 

A principal vitória é vencer a procrastinação em si. Trata-se de uma vitória para a vida inteira, como a daquela criança que um dia perde o medo do escuro.

 

in http://renatoalves.com.br/blog/procrastinacao-e-um-disturbio-cronico-e-prejudicial/

 

 

 

 

(...)

me diga coisas bonitas

(...)

a vida inteira eu quis um verso simples

(...)

fure o dedo faz um pacto comigo
um segundo teu no meu
por um segundo mais feliz

 

Dá-lhe um couce minha besta / Está na hora de mudar

The Secretary Chant

My hips are a desk,
From my ears hang
chains of paper clips.
Rubber bands form my hair.
My breasts are quills of
mimeograph ink.
My feet bear casters,
Buzz. Click.
My head is a badly organized file.
My head is a switchboard
where crossed lines crackle.
Press my fingers
and in my eyes appear
credit and debit.
Zing. Tinkle.
My navel is a reject button.
From my mouth issue canceled reams.
Swollen, heavy, rectangular
I am about to be delivered
of a baby
Xerox machine.
File me under W
because I wonce
was
a woman.

 

Marge Piercy, 1973

 

 

 

 

 

Tudo tem um tempo próprio

1 Para tudo há uma ocasião certa;
há um tempo certo para cada propósito
debaixo do céu:

2 Tempo de nascer e tempo de morrer,
tempo de plantar
e tempo de arrancar o que se plantou,

3 tempo de matar e tempo de curar,
tempo de derrubar e tempo de construir,

4 tempo de chorar e tempo de rir,
tempo de prantear e tempo de dançar,

5 tempo de espalhar pedras
e tempo de ajuntá-las,
tempo de abraçar e tempo de se conter,

6 tempo de procurar e tempo de desistir,
tempo de guardar
e tempo de jogar fora,

7 tempo de rasgar e tempo de costurar,
tempo de calar e tempo de falar,

8 tempo de amar e tempo de odiar,
tempo de lutar e tempo de viver em paz.

 

Ec 3, 1-8

 

 

 

Signed Marc Chagall lithograph, Lithograph, La Baie des Anges (The Bay of Angels), 1960

 

créditos imagem: https://www.masterworksfineart.com/artist/marc-chagall/lithograph-la-baie-des-anges-the-bay-of-angels-1960/

 

 

 

 

prémio nobel das letras: porque só eu e o Bob ainda não comentámos *

* por acaso já nem devia escrever o que vou escrever só para partilhar o posto da arrogância e má-educação com o Bob

 

O busilis da questão é o estilo. Bem como o carisma. Há coisas com as quais se nasce - ou não. E na busca desenfreada por aqueles se deita a perder aquilo que pode ser conquistado: idoneidade.

 

Há muito que acredito que antes de se abrirem as portas da academia, para anunciar os visados do ano, muito se lagartou em cima de cogumelos. Este ano, no entanto, a carência, a falta de atenção, uma psicose com muita MTV à mistura (por parte da academia, entenda-se), deu no que era previsível, isto é, barafustaram os que ainda tentam atribuir importância a um prémio pertencente a uma academia há muito vendida e ignoraram os que preferem ler bons livros e ouvir boa música - sabendo que a arte é per si verdadeiramente multidisciplinar e que os prémios, todos eles,  valem o que valem.

 

Como sou crédula por natureza - e não apenas no que ao lado bom das pessoas ou instituições diz respeito - pondero se isto não será um desvio disfarçado e programado no tempo para que, mais tarde, possa o prémio ficar em casa; e não, não me refiro a um qualquer escritor sueco de nome impronunciável mas sim aos queridosᗅᗺᗷᗅ.

 

Apenas duas curiosidades me assaltaram quando li o anúncio da academia:

1) como se irá sentir - e que resposta dará - o próximo Prémio Nobel da Literatura? Imagino que ser o digno sucessor de Bob Dylan não passa pela cabeça de um qualquer escritor.

2) finalmente(!) é cada vez  mais credível a aposta num livro dedicado à poemática dos GNR e sair vencedor de um prémio Camões.

 

 

 

 It's not easy to define poetry.

Bob Dylan