Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

de profundis

  Eram dez da manhã do dia 7 de Maio de 1829 quando os padecentes deixaram a prisão a caminho do cadafalso. O macabro préstito abria com uma força militarizada. Um autor da época escreveu que a cena tinha mais de «auto-de-fé do que do cumprimento de uma sentença saída do tribunal secular...». Os irmãos da Misericórdia seguiam junto à bandeira da irmandade, desfraldada ao vento, e «ao lado da zumba pintada de negro com os símbolos que nos ficaram do paganismo - a ampulheta, a foice e a caveira...», como refere ainda o citado autor.

  Mais ou menos a meio do tétrico cortejo ia içado ao alto o crucifixo, com a figura do crucificado voltada para os condenados.

  Toda a cidade do Porto assistiu na rua, horrorizada, ao desfilar desta verdadeira procissão canibalesca.

  Misturados no meio da tropa, dos irmãos da Misericórdia e dos meirinhos seguiam numerosos padres e frades que interrompiam de tempos a tempos o salmodear monocórdico do latim com estridentes gritos de «miserere...miserere...miserere...».

  O cortejo atravessou o amplo Largo do Olival, o tal que depois se chamaria dos Mártires da Pátria, meteu pela Rua da Natividade, actual Rua dos Clérigos, e entrou na Praça Nova. As forcas eram de construção muito simples (...). « Ao redor dos patíbulos estavam os condenados à morte metidos nas suas alvas com a cabeça descoberta e os pés nus e dois ou três frades confessandos-os e absolvendo-os em nome do céu próximo, dependente de um nó corrido na garganta...» (...) O espectáculo no amplo logradouro da Praça Nova era de arrepiar: a um lado perfilavam-se os meirinhos e escrivães da justiça « de capa e batinas negras, calção, meia e sapato afivelado, como manda a Ordenação»; a outro canto os clérigos, que em coro acompanhavam o rufar surdo dos tambores clamando « de profundis clamav ad te...». Junto aos patíbulos, nos primeiros degraus da escada, os carrascos esperavam. Todo este aparato era guarnecido pela tropa enfileirada que formava um amplo e luzido quadrado. De espaço a espaço um meirinho gritava um nome e o carrasco apoderava-se do condenado. Vinha sempre seguido de um frade que lhe rezava baixo ao ouvido. O carrasco metia-lhe na cabeça o capuz branco que o preso trazia suspenso nas costas, passava-lhe o nó da corda na garganta, suspendia-a a seguir na trave da forca e consumava-se o acto.

  Enforcar um homem demorava meia hora e como naquele primeiro diz eram dez, as cerimónias da Praça Nova acabaram pela uma da tarde.

  Às execuções assistiram divertidos e no meio de grande gáudio os frades lóios e os dos Congregados. Os respectivos conventos davam para a praça (...) Enquanto assistiam aos enforcamentos dos liberais, os frades davam vivas a D. Miguel e à santa religião e brindavam com vinho do Porto.

  Terminadas as execuções, os cadáveres dos enforcados foram decapitados, como se ordenava na atroz sentença. Os corpos foram levados pelos irmãos da Misericórdia para enterrar no adro dos enforcados, que ficava em terrenos onde hoje se situam as traseiras do Hospital de Santo António. As cabeças, espetadas em longas varas, ficaram durante vários dias expostas em frente às casas dos familiares das vítimas, na Foz, na Cordoaria, na Vila da Feira, em Aveiro e Coimbra. Os dois carrascos, o célebre João Branco e um outro que viera de Lisboa, no final das execuções foram displicentemente lavar as mãos tintas de sangue no tanque da Natividade que havia na Praça Nova e que ficava onde está agora a filial do Banco de Portugal  (...) Logo a seguir à entrada no Porto das tropas liberais, em 1832, sob o comando do rei D. Pedro IV, o povo foi à Praça Nova e derrubou as forcas que ainda ali estavam erguidas. Depois correu à Cadeia da Relação, arrombou a porta e abateu a tiro o sanguinário João Branco, carrasco dos liberais. Tudo isto acontecia enquanto os miguelistas fugiam espavoridos da cidade com medo de represálias. Só que os liberais foram muito mais condescendentes do que os miguelistas se haviam mostrado antes (...) Em 18 de Junho de 1878, as ossadas dos doze liberais foram solenemente transladadas para um mausoléu, especialmente construído para o efeito, e que está colocado no cemitério privativo que a Santa Casa da Misericórdia tem no Prado do Repouso.

  Em 1914, a Câmara Municipal do Porto mandou colocar no sopé da estátua de D. Pedro IV, na Praça da Liberdade, placas de bronze com os nomes dos doze mártires, para honrar a sua memória no mesmo local onde padeceram a pena máxima por amor da sua causa.

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 

 

«Se, na nossa cidade, há muito quem troque o b por v, há muito pouco quem troque a liberdade pela servidão»

Almeida Garrett

 

 

9 comentários

Comentar post