Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nariz de cera

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

anotações e apontamentos que dizem tudo - de, por e para mim - por si mesmos.

vida in materia

La vida tiene una dimensión interior, con historias que no se materializan en la realidad, pero que no por ello dejamos de vivir.

 

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

 

 

estações

O extinto Mosteiro de São Bento da Ave-Maria ficava precisamente onde hoje está a Estação de São Bento, entre as Ruas do Loureiro e da Madeira, tendo à frente um amplo logradouro, que é na actualidade a Praça de Almeida Garrett (...) Do Mosteiro de São Bento da Ave-Maria e da sua igreja já nada resta. Apenas e só a memória escrita, o que já não é mau. Quando começaram as obras para a construção da estação ferroviária, chegou-se à conclusão de que o espaço não era o suficiente para uma estação central. Os técnicos pensaram então em prolongá-la, construindo um viaduto sobre o espaço que é hoje a Praça de Almeida Garrett, expropriando, para tanto, os prédios que estavam na frente. O elevado custo da operação contribuiu para que o projecto se não concretizasse (...) Em 1929, o Engº Jaime Nogueira de Oliveira, numa conferência que pronunciou sobre « A estação do Porto », reconheceu que para se fazer uma estação se sacrificara um monumento. « Agora, nem monumento nem estação que satisfaça. São Bento servirá apenas, no futuro, de estação de trâmueis, destinando-se a de Campanhã aos comboios de longo curso...» Profético.

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

crédito imagem: https://i.pinimg.com/736x/0d/96/9b/0d969bfb380565010715e0587f045619--porto-portugal.jpg

 

egoísmo bom

Los lectores siempre se encuentran a sí mismos, de una forma o de otra, en un libro. Leer es un estímulo completamente egotista. Buscamos inconscientemente lo que nos dice algo.

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

 

 

 

retângulo dos pequenitos

Numa esplendorosa manhã de Verão, sob aquele sol com que Deus brinda o povo português com a ingénua intenção de o distrair de tanta miséria

 

 

 

Vilhena – Branca de Neve e os 700 anões  (1962)

Edição fac-símile, A Bela e o Monstro Edições / Rapsódia Final, Unipessoal lda (2014)

 

 

 

 

 

 

 

Porto - Aveiro

Na manhã do dia 7 de Maio de 1829, na então chamada Praça Nova, actual Praça da Liberdade, dez cidadãos portugueses subiram ao patíbulo, para cumprirem uma cruel sentença que os condenara a morrer na forca. Alguns meses depois, em Outubro daquele mesmo ano, mais dois patriotas morreriam, pelo mesmo processo e no mesmo local. São os mártires da liberdade cuja memória o Porto venera, num sarcófago, onde se guardam os seus restos mortais, e recorda, perpetuamente, nas placas de duas artérias que se situam em locais diferentes da cidade, mas não muito distantes uma da outra: o Campo dos Mártires da Pátria, mais vulgarmente conhecido pela Cordoaria, e a Rua dos Mártires da Liberdade (...) Depois de ter jurado, em 1826, a Carta Constitucional que D. Pedro, então imperador do Brasil, outorgara naquele mesmo ano à Nação, D. Miguel, um mês depois desse juramento, dissolveu as Cortes e fez-se aclamar rei absoluto. Logo a seguir mandou publicar um decreto convocatório das cortes tradicionais de que saiu aclamação oficial. No Porto, a aclamação de D. Miguel como rei absoluto ocorreu no dia 29 de Abril de 1828, na Casa da Câmara. Claro que os liberais não gostaram, e a 16 de Maio seguinte revoltaram-se para defender a Carta Constitucional e os legítimos direitos de D. Maria II, em quem o pai, D. Pedro, abdicara do direito ao trono de Portugal. Costuma chamar-se a este movimento a « Revolução do Porto ». Mas o seu a seu dono: a Revolução Liberal de 16 de Maio de 1828 eclodiu, de facto, no Porto, mas começou em Aveiro, tendo por principal mentor e impulsionador o desembargador Joaquim José de Queirós, que era avô do escritor Eça de Queirós.

 

 

Germano Silva e Lucília Monteiro – Porto, a Revolta dos Taberneiros e Outras Histórias (2004)

Editorial Notícias (maio 2004)

 

 

 créditos imagem: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/59/Dom_Pedro_IV_P%C3%A7_Liberdade_Porto.jpg

 

dias a sim

 

a crítica (...) expressa numa ausência de elogios

 

 

há pessoas que necessitam de um baloiço para o raciocínio

 

 

sempre me fizeram sonhar os comboios

 

 

 

me esqueci da professora mas as vírgulas ficaram, vírgula, segundo ela eram sempre úteis mesmo ao conversar

- Com uma pausazinha na altura certa fica tudo mais claro

 

 

 

muito se morre em Portugal de facto

 

 

o avô do meu marido a abrir a tampa do relógio do colete

- Nove horas

e a fechá-la num estalinho que lhe agradava, se lho emprestasse abria e fechava-o duzentas vezes porque lhe apetecia comer aquele som

 

 

 

apesar de estarmos no outono e uma chuvinha parva, dessa que não molha nem se sente, nos convida ao suicídio apenas, a vizinha triste, a minha mãe triste por contágio que a infelicidade pega-se

 

 

 

o som do pêndulo do relógio da sala, de dia quase mudo e à noite enorme porque no escuro tudo aumenta

 

 

 

não se falavam há anos que o tempo separa as pessoas e depois o esquecimento começa o seu trabalho

 

 

 

- Tenho cinquenta e nove anos caramba

tombaram-lhe como tijolos os cinquenta e nove anos em cima

 

 

 

até um grilo uma tarde na bancada que expulsei com um piparote para o quintal onde mais tarde ou mais cedo uma lagartixa o arrastaria por uma das patas na direcção de uma falha de muro, tudo come tudo neste mundo, é assim, até o mar devagarinho vai comendo os penedos, a nós come-nos a idade

 

 

 

por ser vasta era mais paciente, sempre nervosas, as magras

 

 

 

porque na vida não existem certezas e até Deus muda de humor

 

 

as pessoas são tantas dentro das pessoas que são

 

 

 

adivinhava que me miravam porque um peso em mim, sentimos sempre um peso quando nos olham

 

 

espanta-me que haja pessoas ingénuas capazes de acreditarem nas mentiras das ondas

 

 

 

há coisas que nos agradam ao princípio e o tempo torna sinistras

 

 

que pena as pessoas não se aceitarem como são

 

 

 

e eu calada a engolir-me a mim mesma, como é complicado engolirmo-nos a nós mesmos

 

 

 

derivado ao sol, levo esta luz, esta felicidade, esta paz (...) até nos dissolvermos na luz

 

 

 

António Lobo Antunes – Para Aquela Que Está Sentada No Escuro À Minha Espera (2016)
Publicações D. Quixote | Leya (2016)

 

 

sentimentos de um morto

pero ¿conocemos alguna vez de verdad los sentimientos de un muerto?

 

 

David Foenkinos - La biblioteca de los libros rechazados (2016)
Titulo original: Le Mystère Henri Pick
Traducción de María Teresa Gallego Urrutia y Amaya García Gallego
Penguin Random House Grupo Editorial S.A.U. (febrero, 2017)

cansada, não!

mas só não se cansa a andar

quem sabe o que faz cansar.

E não é andar que cansa;

cansa não acreditar 

que no fim de muito andar 

'tá o Castelo no ar 

e aberta a porta d'entrar.

 

José de Almada Negreiros, O MENINO D'OLHOS DE GIGANTE
Poemas Escolhidos José de Almada Negreiros - Assírio & Alvim | Porto Editora 2016

Pág. 1/2